TSE vira ‘arma secreta’ da velha mídia contra Bolsonaro

Já foi dito aqui que a velha mídia corporativa, hoje, funciona como banco. Especula, manipula, desinforma, ganha a vida com negócios econômicos. Os jornalões são apenas imagem simbólica da disputa pelo poder. Eles não fazem jornalismo há muito tempo: parasitam em cima do erário e do povo.

A velha mídia não tem projeto de nação, de desenvolvimento ou de patriotismo. Só interessa viver como sanguessuga, pária, enquanto age como aparelho ideológico na tentativa de fazer crer [falsamente] que a sociedade vulnerável não trabalha, por isso é pobre.

Explicado isso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tenta entrelaçar as ações de cassação da chapa do presidente Jair Bolsonaro com o inquérito das fake news –contra aliados do mandatário– que correm no Supremo Tribunal Federal (STF).

É evidente que Bolsonaro e seu vice Hamilton Mourão (PRTB) têm que ser botados para fora do Palácio do Planalto, no entanto, não é a mídia que deve liderar isso. Até porque ela usa esses processos como chantagem para obter vantagens para si própria e especuladores.

Lembre-se o leitor que na hora de a onça beber água, no fim do ano, Folha, Globo, dentre outros veículos de comunicação, se posicionaram contrários à abertura do processo de impeachment de Jair Bolsonaro.

Impeachment e cassação da chapa Bolsonaro-Mourão são apenas instrumentos de chantagem da velha mídia, que está faturando como nunca antes na história deste País em plena pandemia –porque são bancos.

Se a oposição deseja cassar Bolsonaro e Mourão deve se pautar pelas próprias forças, organizar sistema de comunicação peculiar dos partidos e entidades. Abandonar essa ideia de frente ampla com banqueiros.

Quanto ao objeto da cassação no TSE, as fake news, será que a velha mídia golpista não gostou da concorrência do Capitão Cloroquina em 2018 e atualmente?

O páreo é duro para saber quem dissemina mais notícias falsas, se Bolsonaro ou jornalões.

Que horror tudo isso!