STF foi alvo neste domingo de protestos antidemocráticos em Curitiba

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro pediram neste domingo (14/3), em Curitiba, o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF). Eles se reuniram em frente ao Palácio do Iguaçu, sede do governo estadual, e anunciaram uma marcha até o quartel da Aeronáutica no bairro Bacacheri.

O fetiche dos bolsonaristas curitibanos nada se diferencia da manifestação do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que ficou preso quase um mês por defender o AI-5, e da do presidente Jair Bolsonaro, que reiteradas vezes flertou com o regime de exceção.

Na live presidencial de quinta-feira (11/3), por exemplo, Bolsonaro repetiu duas vezes que é fácil impor uma ditadura no Brasil, ao criticar mais uma vez governadores e prefeitos por adotarem medidas de isolamento social no combate à covid-19.

LEIA TAMBÉM
Apoiadores de Bolsonaro fazem aglomerações e ignoram avanço da covid

Lavajatistas fazem protesto contra Fachin em Curitiba

Moro adota doutrina ‘uma mão lava a outra’ em relação a Fachin

O presidente fez questão de ressaltar que é o chefe das Forças Armadas e indicou que pode tomar uma medida extrema (sem dizer qual) “se o povo quiser” –insinuando que pode dar um golpe de Estado a qualquer momento.

Ou seja, o rebanho está seguindo a orientação do pastor nesses protestos antidemocráticos.

Em relação ao presidente Bolsonaro, até agora, o Supremo Tribunal Federal não se manifestou. Talvez mais tarde mostre sua valentia para os fundamentalistas da capital paranaense.

Os protestos antidemocráticos também aconteceram em São Paulo, Rio, Belém, Brasília, Campo Grande, Salvador, Florianópolis, BH, dentre outras capitais e cidades brasileiras.