PSOL vai pedir CPI para investigar esquema de corrupção da família Bolsonaro

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados vai apresentar um pedido de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar o esquema de corrupção da família Bolsonaro. Reportagem divulgada nesta segunda-feira (15), através da quebra de sigilos bancário e fiscal de pessoas e empresas ligadas ao senador Flávio Bolsonaro, revelou que o esquema da rachadinha também ocorria nos gabinetes do pai, o atual presidente Jair Bolsonaro, quando este era deputado federal, e do irmão, o vereador Carlos Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM
Para o PT, escândalo da rachadinha chega a Jair Bolsonaro

Demita Jair Bolsonaro

Moro articulava medidas favoráveis à “lava jato” com o TRF-4, diz defesa de Lula

Quatro funcionários que trabalharam para Jair Bolsonaro retiraram 72% de seus salários em dinheiro vivo. Na avaliação da líder da bancada do PSOL na Câmara, Talíria Petrone, o esquema de rachadinha parece ser uma “prática comum” à família do presidente.

“Um completo absurdo, ainda mais para um grupo que assume o poder defendendo o combate à corrupção. Sabemos que essa nunca foi uma verdade para eles. O PSOL exige ampla investigação e esperamos contar com apoios suficientes para instalar uma CPI que apure essas operações lideradas pelo presidente e seus filhos”, disse.

A intenção é apresentar o pedido de CPI ainda hoje e, ao longo dos próximos dias, reunir as 171 assinaturas mínimas necessárias para viabilizar sua criação.

“A matéria traz uma maquinação ainda mais grave, porque mostra uma rede, uma família criminosa. Não estamos falando só do Flávio. Estamos falando do próprio Jair. A nomeação da cunhada e todos os indícios de que teria sido usada como laranja da então mulher do Jair é gravíssimo”, disse a também deputada federal do PSOL Fernanda Melchionna, que era líder da bancada em 2020 quando o partido apresentou um pedido de cassação do mandato de Flávio Bolsonaro no Senado.

As informações são do PSOL