Moro articulava medidas favoráveis à “lava jato” com o TRF-4, diz defesa de Lula

ConJur – Mensagens em grupo de procuradores que atuavam na “lava jato” no Paraná indicam que o ex-juiz Sergio Moro articulou medidas favoráveis à operação com o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (PR, SC e RS), segundo a defesa do ex-presidente Lula.

As mensagens constam de petição apresentada pelos advogados do petista, nesta segunda-feira (15/3), ao Supremo Tribunal Federal. O diálogo faz parte do material apreendido pela Polícia Federal no curso de investigação contra hackers responsáveis por invadir celulares de autoridades.

LEIA TAMBÉM
CUT detalha nesta terça estudo sobre efeitos destrutivos da Lava Jato

Líder do governo pode ser investigado por compra de vacina russa Sputnik V

ONGs denunciam governo Bolsonaro na ONU por ‘devastadora tragédia humanitária’

Em 17 de abril de 2017, o procurador Júlio Noronha enviou, no grupo de mensagens, notícia sobre a decisão pela qual Sergio Moro obrigou Lula a acompanhar presencialmente os depoimentos das 87 testemunhas que sua defesa havia indicado.

“Divertido!!!”, comentou a procuradora Laura Tessler. Mas o procurador Orlando Martello demonstrou preocupação: “Vai dar merda! Ou as testemunhas são ou não são pertinentes. Se deferiu é pq são. Logo, não é legal exigir q o réu acompanhe todas pessoalmente”. “Com certeza! Não tem previsão legal nenhuma… Mas não dá pra negar que moro é criativo, hahahah”, respondeu Laura.

O líder dos procuradores de Curitiba, Deltan Dallagnol, não ficou preocupado com a decisão de Moro. “Não acho que vai dar merda. Qualquer desembargador ou ministor vai entender isso rs”.

“A Russia já teve ter conversado com a sua Russia”, apostou o procurador Roberson Pozzobon. Dallagnol então informou: “Kremelin a par rs”. Sergio Moro era chamado de “Russo” pelos integrantes do Ministério Público Federal, e Kremlin é a sede do governo federal em Moscou, na Rússia.

De acordo com a defesa de Lula, esse trecho indica que Moro articulava medidas favoráveis à “lava jato” com o TRF-4. “Outrossim, os novos diálogos também reforçam que tanto o ex-juiz Sergio Moro como os procuradores da ‘força-tarefa’ tinham prévia ciência de que os atos ilegais por eles praticados não seriam revertidos pelo tribunal local, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, porque tudo era antes ‘conversado’ entre a ‘Russia’ e a ‘sua Russia'”.

O perito Claudio Wagner, contratado pela defesa de Lula para analisar as conversas no Telegram, afirmou que “existe também, mensagem sugerindo que o TRF-4 era referenciado com o codinome Kremelin, e o relator dos processos da lava jato naquele tribunal [desembargador federal João Pedro Gebran Neto] como sendo a Russia do Russo (‘a sua Russia’)”.

Laura Tessler manifestou dúvida sobre a manutenção da decisão de Moro. “Não sei não…mas Stj é STF não vão concordar”. “Pq? Pq na sibéria não tem nada disso!!!”, respondeu Pozzobon.

Porém, a ordem do então juiz da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba foi revertida pelo TRF-4, em decisão monocrática do juiz convocado Nival Brunoni — que não integrava a 8ª Turma da corte, responsável por julgar os recursos da “lava jato”.

O ex-presidente Lula é defendido por Cristiano Zanin, Valeska Martins, Eliakin Tatsuo e Maria de Lourdes Lopes.

Rcl 43.007