Lula bota pilha: ‘Bolsonaro é o maior genocida da história do Brasil’

O trocadilho pode parecer infame ao dizermos que o ex-presidente Lula, em entrevista à revista alemã Der Spiegel, “botou pilha” ao afirmar que o presidente Jair Bolsonaro é o maior genocida da história do Brasil.

O Blog do Esmael ao usar expressão “botar pilha” quis prestar uma justa homenagem ao militante do PT Rodrigo Pilha, que está preso desde o último dia 18/3, quando estendeu uma faixa com “Bolsonaro Genocida” na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou na entrevista que as mais de 300 mil mortes por coronavírus no Brasil são “o maior genocídio” da história do país, responsabilizando diretamente Jair Bolsonaro pela situação crítica enfrentada pelo país. Segundo o petista, o atual presidente deveria que “pedir perdão” aos brasileiros.

Em entrevista publicada pela revista alemã Der Spiegel, Lula disse que durante um ano Bolsonaro não levou o vírus a sério e disseminou mentiras. “Durante um ano, atacou todos os que discordavam dele. Se ele realmente estivesse preocupado com o povo, teria dado o exemplo e colocado uma máscara imediatamente e não teria provocado aglomerações.”

“Se ele tivesse um pouquinho de grandeza, teria se desculpado ontem [no pronunciamento na TV] às famílias de mortos pela covid e aos milhões de infectados. Ele é responsável por isso. (…) É o maior genocídio de nossa história. Temos que salvar o Brasil de covid”, declarou à publicação alemã.

LEIA TAMBÉM
Lula diz não ter sentimentos de ‘raiva’ ou ‘vingança’ contra Moro

O mundo continua chocado com o avanço da Covid-19 no Brasil

Cadê a vacina, Bolsonaro?

Bolsonaro foi abandonado pelos mais ricos, diz William Waac

“Um presidente não precisa saber tudo. Mas ele [Bolsonaro deveria ter humildade para consultar pessoas que sabem mais do que ele. Ele deveria falar com cientistas, médicos, governadores e ministros da saúde para elaborar um plano para derrotar a covid. Mas ele não leva covid a sério. (…) Não acredita em vacinas. Quem usa máscara é zombado por ele como um ‘viado’. (…) Nunca tivemos na nossa história um presidente tão irresponsável”, disse Lula.

Em discurso em cadeia nacional na última terça-feira – dia em que o Brasil registrou mais de 3 mil mortes por covid-19 em 24 horas pela primeira vez –, Bolsonaro tentou emplacar uma falsa narrativa para as ações do governo durante a crise. Na fala, ele não mencionou o recorde de mortes e mentiu que sempre foi a favor das vacinas. O presidente também evitou mencionar que minimizou a pandemia seguida vezes e que combateu medidas de isolamento social. Alguns meios de comunicação apontaram que a fala representava uma “mudança de tom” de Bolsonaro, mas pouco depois o presidente já havia voltado a atacar governadores e a defender tratamentos ineficazes, além de mentir sobre os motivos do cancelamento do lockdown de Páscoa na Alemanha.

Apelo de Lula a Angela Merkel

Na entrevista, Lula também propôs a quebra das patentes das vacinas contra covid-19 para permitir um maior acesso global ao imunizante. “Isso é um bem de toda a humanidade, e nenhuma empresa pode se enriquecer com isso. Não devemos permitir que interesses comerciais desse ou daquele fabricante estejam sobre os interesses da humanidade”, sublinhou, fazendo um apelo para que a chanceler federal alemã, Angela Merkel, pressione pela realização de um encontro internacional dos líderes mundiais para discutir a questão.

“Tal encontro só pode ocorrer no âmbito do G7 ou do G20. Poderia também ser convocada uma reunião extraordinária virtual da Assembleia Geral das Nações Unidas. Alguém teria que ter essa iniciativa”, disse, lembrando que há falta de vacina mesmo em países desenvolvidos, como Alemanha e França. “Nenhum país é capaz de resolver o problema sozinho. Mesmo na Alemanha e na França faltam vacinas. Isso é inacreditável!”

O ex-presidente confirmou que escreveu uma carta ao presidente chinês, Xi Jinping e disse que se encontrou com representantes do Fundo de Investimento Direto Russo, responsável pela distribuição da vacina Sputnik V.

“Bolsonaro e seus seguidores espalharam pela internet que as pessoas receberiam um implante de um chip junto com a vacina chinesa e que a da BioNtech[empresa alemã que desenvolveu uma vacina em parceria com a Pfizer] poderia transformar as pessoas em jacarés. E temos que conviver com essas mentiras! Pedi a Putin e Jinping que ignorem as ofensas de Bolsonaro e de seu ministro das Relações Exteriores na hora em que o Brasil solicitar vacinas.”