Justiça do Rio suspende investigação contra Felipe Neto por ter chamado Bolsonaro de genocida

A Justiça do Rio de Janeiro suspendeu nesta quinta-feira (18/3) a investigação da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática contra Felipe Neto por chamar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de “genocida”.

Na decisão, a juíza Gisele Guida de Faria diz que a competência do caso é da Polícia Federal e não da Polícia Civil.

LEIA TAMBÉM
Moro decepciona em pesquisa

Notícias ao vivo da Covid: Agnaldo Timóteo é internado e ex-governador de Goiás morre na espera por UTI

Mídia financeira tenta impedir a candidatura de Lula em 2022, denuncia estudo escocês

“Vale ainda ressaltar que, além do fato da autoridade impetrada não possuir atribuição para a investigação em tela, que é, repita-se, da Polícia Federal, cuidando-se, em tese, de crime praticado contra a honra do presidente da República e previsto na Lei de segurança Nacional, sua apuração somente poderia ter sido iniciada por requisição do Ministério Público, de autoridade militar responsável pela segurança interna ou do Ministro da Justiça”.

Segundo a decisão, a juíza classificou a investigação como uma “flagrante ilegalidade”.

“Tais elementos, afiguram-se suficientes, no meu entender, para demonstrar, prima facie, a existência de flagrante ilegalidade praticada pela autoridade coatora, que não detém a necessária atribuição para investigar os fatos noticiados, cuja apuração sequer poderia ter sido iniciada, por ausência de condição de procedibilidade”.

As informações são do site Metrópoles, parceiro do Blog do Esmael