Julgamento de Moro no STF e Lula candidato em 2022 deixam velha mídia no cio

A velha mídia corporativa está no cio com o julgamento do ex-juiz Sergio Moro, que se avizinha, na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). O Brasil deve um julgamento justo ao ex-presidente Lula, tem repetido o ministro Gilmar Mendes.

“Lula é digno de um julgamento justo”, reafirmou recentemente o magistrado em uma entrevista.

Sim, Gilmar tem razão. Há mais de dois anos o STF deve um julgamento justo ao ex-presidente. A corte vem ensebando o exame do habeas corpus que pede a suspeição de Moro, que pode recolar Lula no cenário de 2022 com a anulação da sentença do caso tríplex.

As mensagens reveladas pela Operação Spoofing, da Polícia Federal, mostram que Moro e procuradores da Lava Jato agiram de forma delituosa para incriminar o ex-presidente Lula. O objetivo da força-tarefa era político e ideológico. A falecida “República de Curitiba” nunca almejou combater a corrupção, como diziam seus integrantes. Pelo contrário.

Esse julgamento que inexoravelmente se aproxima deixa a velha mídia no cio, excitada, porque além desmontar a farsa da Lava Jato, comprovar que os pés de Moro e do procurador Deltan Dallagnol eram de barro, ainda desnuda o envolvimento criminoso da mídia corporativa, principalmente da Globo.

A promessa de Gilmar Mendes era colocar o julgamento da suspeição de Sergio Moro na pauta da 2ª Turma após o Carnaval, ou seja, em março. Então…