Jornal Nacional, da Globo, passa recibo ao responder Gilmar Mendes

O jornalista William Bonner, editor-chefe do Jornal Nacional, na Globo, passou recibo nesta terça-feira (9/3) ao responder o ministro do STF, Gilmar Mendes, que acusou a emissora de cumplicidade com atos autoritários da Lava Jato.

Durante julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro, em seu voto, Gilmar disse que a Lava Jato praticou crimes contra direitos fundamentais de investigados.

“Tudo isso não se realizaria sem um tipo de cumplicidade da imprensa. É bom que se diga isso. Esse modelo de Estado totalitário que se desenhou teve a complacência da mídia. Tudo tinha que ser noticiado dentro dessa perspectiva”, afirmou o ministro, citando textualmente o repórter da Globo Vladimir Neto, filho da veterana jornalista Miriam Leitão.

William Bonner, no JN, disse que Gilmar Mendes “atacou a imprensa” –não a Globo– ao responder o ministro do STF lendo uma nota da casa.

“Em relação ao jornalismo da Globo, é preciso dizer que aqui nós nos dedicamos a registrar os fatos, as suas repercussões e os seus desdobramentos. Como estamos fazendo agora na cobertura do julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro”.

Sobre a participação de profissionais da Globo na assessoria da Lava Jato, como revelaram as mensagens da Operação Spoofing, William Bonner ficou silente. Ele não mencionou os diálogos de procuradores da Lava Jato, que citam Vladimir Neto como ponte da TV com a então República de Curitiba.