Gilmar Mendes arquiva inquérito contra Aécio Neves a pedido da PGR

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o arquivamento do inquérito no qual o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) era investigado por desvios na estatal do setor elétrico Furnas. A medida foi tomada após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, há indícios contra Aécio e o ex-diretor da empresa Dimas Toledo, mas insuficientes para iniciar ação penal contra eles.

“Esse panorama traz fortes indícios de que as famílias de Dimas Toledo e de Aécio Neves mantiveram contas no exterior, possivelmente utilizadas para o recebimento de valores espúrios oriundos dos crimes cometidos em prejuízo de Furnas. Contudo, após a realização de diversas diligências investigativas, não se obteve êxito na produção de lastro probatório apto à deflagração de ação penal efetiva e com perspectiva de responsabilização criminal dos investigados, ante a ausência de confirmação plena dos fatos afirmados pelos colaboradores”, diz trecho do documento da PGR.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro vai levar fumo no Supremo, que deverá manter restrições nos estados

“Lava Jato foi um projeto de poder. Está documentado”, diz advogado de Lula

Aprovação ao trabalho de Moro na Lava Jato despenca, mostra Datafolha

Em delação premiada, o senador cassado Delcídio Amaral acusou o tucano de receber propina referente a contratos de Furnas. Em troca, Aécio forneceria apoio político para a indicação e manutenção de ocupantes de cargos na empresa.

O inquérito já havia sido arquivado em junho de 2018 por Gilmar, que é o relator do caso, por falta de provas. Mas, em novembro do mesmo ano, a 2ª Turma do STF decidiu desarquivar o inquérito após recurso apresentado pela então procuradora-geral da República Raquel Dodge.

As informações são do site Metrópoles, parceiro do Blog do Esmael