Extrema direita ameaça ministro Edson Fachin após anulação de condenações de Lula

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, está sendo ameaçado por grupos de extrema direita nas redes sociais. Em mensagens compartilhados em grupos de WhatsApp, fundamentalistas convocam protesto em frente a casa do magistrado na capital paranaense.

“Quarta-feira dia 10 as 19h vamos fazer uma manifestação na frente da caso do Fachin aqui em Curitiba”, diz a convocatória, que ainda traz o endereço do ministro do STF.

Por discordar do método fascista desse protesto, o Blog do Esmael borrou o endereço da casa de Fachin.

“Todos de máscara buzinando.. tá uma vergonha esse STF, todos os corruptos se unindo, não podemos aceitar isso. VAMOS DIVULGAR!”, completa mensagem.

A militância de esquerda aproveitou a oportunidade para se diferenciar dos extremistas curitibanos.

“Curioso é que em nenhum momento quem defendeu o Lula Livre aqui em Curitiba cogitou ir pressionar Moro em frente a casa dele.”

Nesta segunda-feira (8/3), tardiamente, Edson Fachin anulou todas as condenações do ex-presidente Lula ao reconheher a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba nos processos dos casos tríplex, sítio de Atibaia e Instituto Lula.

A decisão do ministro Fachin surpreendeu a extrema direita e os bolsonaristas, pois, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, Lula agora está reabilitado politicamente e poderá disputar as eleições presidenciais de 2022.

Apesar de anular as condenações de Lula, o ministro Fachin jogou pesado nesta terça-feira (9/3) contra a suspeição do ex-juiz Sergio Moro. O julgamento na Segunda Turma do STF foi adiada devido um pedido de vista. O resultado está empatado em 2 votos a 2.

LEIA TAMBÉM
2ª Turma do STF ao vivo: Gilmar Mendes votou pela suspeição de Sergio Moro

Velha mídia lamenta polarização Lula x Bolsonaro nas redes sociais

Anulação de condenações de Lula repercute na imprensa europeia

Requião: não quero um ‘Lulinha paz e amor’, quero um Lula que apoie um referendo revogatório

Gleisi: “decisão de Fachin não pode livrar Moro de enfrentar a Justiça”