Chamaram Bolsonaro de “genocida” e foram presos em Brasília

Cinco militantes do PT foram presos pela Polícia Federal, em Brasília, porque portavam cartazes com dizeres “Bolsonaro Genocida” na Praça dos Três Poderes.

Os deputados Paulo Pimenta (RS), Alencar (SP) e Gleisi Hoffmann (PR) se dirigiram à Superintendência da PF no Distrito Federal para exigir a imediata libertação dos militantes.

A palavra “genocida” entrou no index de proibições depois que o vereador Carlos Bolsonaro, o Carluxo, processou o youtuber Felipe Neto por assim classificar o presidente Jair Bolsonaro no contexto da pandemia que matou mais de 285 mil brasileiros.

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, disse os cinco petistas são as novas vítimas da perseguição de Bolsonaro. “Foram levados pela Polícia Federal e vão ser enquadrados na Lei de Segurança Nacional por abrirem faixa chamando o genocida de genocida. Acionamos advogado e estamos indo pra PF”, comunicou.

Deputado Alencar disse que a prisão de manifestantes por crítica a Bolsonaro é inaceitável.

Ele foi até a Polícia Federal acompanhar o caso com uma faixa repetindo #BolsonaroGenocida.

Paulo Pimenta convocou a militância virtual para postar a frase nas redes sociais.

“Se hoje era uma faixa, agora serão milhares. Vamos postar, vamos compartilhar”, exortou.