Base militar no Iraque é alvo de foguetes às vésperas de visita do Papa Francisco

Pelo menos dez foguetes caíram na manhã desta quarta-feira (3) em uma base que abriga tropas americanas no oeste do Iraque, dois dias antes da visita histórica do Papa Francisco ao país. As autoridades confirmam a morte de um civil no ataque.

Esta nova ofensiva acontece após vários outros ataques com as mesmas características, ocorridos nas últimas duas semanas. A situação preocupa e aponta as dificuldades logísticas da primeira visita de um pontífice ao Iraque. Mesmo assim, o papa Francisco confirmou que manterá sua viagem, apesar dos disparos de foguetes.

LEIA TAMBÉM
Haddad denuncia no Le Monde: ‘Bolsonaro sabota a luta do Brasil contra a Covid-19’

Lula diz que ‘Brasil era mais feliz’ na época dos governos do PT

Após visita de Bolsonaro, Cascavel (PR) vive colapso com falta de leitos para pacientes de Covid

Contudo, além das restrições sanitárias na tentativa de conter uma segunda onda de Covid-19 no país, as tensões entre os dois países que operam no Iraque, o Irã e os Estados Unidos (EUA), representam um obstáculo adicional para o sucesso da visita papal.

De acordo com fontes de segurança iraquianas e ocidentais, dos dez foguetes disparados contra a base aérea de Ain al-Assad, vários caíram dentro da seção onde estão os soldados americanos da coalizão anti-jihadista internacional. “As forças de segurança iraquianas estão conduzindo a investigação”, disse o coronel Wayne Marotto, porta-voz dos EUA na coalizão, pelo Twitter. Washington costuma apontar facções armadas pró-Irã como autores desses ataques.

Foguetes “fabricados no Irã”
O comando militar iraquiano especificou que os dez foguetes disparados eram do tipo “Grad”. Mais precisamente do tipo “Arash”, de fabricação iraniana e mais imponente do que os foguetes usados ​​até recentemente, detalharam fontes de segurança ocidentais à AFP.

Inimigos jurados, a República Islâmica do Irã e os Estados Unidos têm presença ou aliados no Iraque. À frente do grupo de coalizão de combate ao Estado Islâmico (EI), os Estados Unidos destacaram cerca de 2.500 soldados para o país. Já o Irã conta, entre outros, com o apoio de Hachd al-Chaabi, uma poderosa coalizão de paramilitares integrada ao Estado iraquiano e composta, principalmente, de facções financiadas e armadas pelo Irã.

Após um período relativamente calmo, com o anúncio de uma trégua dos militantes pró-Irã frente às ameaças dos Estados Unidos de retirarem todos os seus soldados e diplomatas do país, o Iraque testemunha agora uma nova escalada de violência.

Outros ataques
Em fevereiro, foguetes caíram perto da embaixada dos Estados Unidos, em Bagdá. Outros explosivos visaram a base aérea iraquiana de Balad, localizada mais ao norte, ferindo um funcionário iraquiano de uma empresa americana responsável pela manutenção dos jatos F-16.

Os foguetes também atingiram uma base militar que abrigava a coalizão internacional no aeroporto de Erbil, capital do Curdistão iraquiano, local considerado como um refúgio de paz em meio a um Oriente Médio dilacerado pela guerra. Duas pessoas morreram nesse ataque.

Lockdown durante visita do Papa
O Papa Francisco é esperado nesta sexta-feira (5) em Bagdá e domingo (7) em Erbil, onde vai celebrar uma missa em um estádio aberto aos fiéis.

Devido à frágil estabilidade da segurança no país e à pandemia de Covid-19, o soberano pontífice argentino não poderá dar caminhadas, como costuma fazer. Além disso, para evitar incidentes maiores, um lockdown nacional será decretado durante a visita papal, de sexta-feira a segunda-feira (8).

Por RFI, com informações da AFP