Rodrigo Maia, depois de deixar a Câmara, defende o impeachment de Jair Bolsonaro e CPI da Covid

Ora, ora, ora. O ex-presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), 1 mês depois de deixar o cargo, agora defende abertura de CPI da Covid e do impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

Pelo Twitter, por exemplo, o titubeante ex-presidente da Câmara disse que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) tem razão ao propor CPI da Covid no Senado após Bolsonaro aglomerar e não usar máscara durante visita ao Ceará.

Para Jereissati, Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade ao mandar as pessoas à morte, estimulando aglomeração.

O presidente Jair Bolsonaro, ao passar pelo Ceará, criticou o uso de máscara, ameaçou não repassar auxílio emergencial para os estados que adotaram restrição na circulação de pessoas e ainda conclamou à população para ir à rua.

No Senado, oito partidos falam em impeachment e CPI para investigar o negacionismo do presidente da República. Mas, o Blog do Esmael faz um alerta: falar até papagaio fala.

Voltemos a Rodrigo Maia.

Faltou coragem ao “Botafogo”. O ex-presidente da Câmara tinha em sua gaveta mais de 60 pedidos de impeachment e outros 30 de CPIs para investigar o presidente na pandemia. Não o fez, fraquejou, ficou com medo.

CPI e impeachment só avançarão no Congresso se não chamuscar as remunerações de bancos e especuladores.

O parlamento brasileiro virou um puxadinho dos banqueiros, que, infelizmente, comandam a Câmara e o Senado.

Portanto, Maia foi omisso porque os bancos o tinham possuído tal qual possuíram os atuais presidentes das duas Casas. Um horror para a Nação.