PROS, PCdoB e PSOL desistem de ação contra 4ª reeleição de presidente da Assembleia Legislativa do PR

Se depender das direções estaduais do PCdoB, do PSOL e do PROS, o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), Ademar Traiano (PSDB), não terá oposição alguma ao seu quarto mandato consecutivo na Casa.

Em agosto de 2020, Traiano foi eleito pela quarta vez ao cargo para o biênio 2021/2022 com 48 votos. O parlamentar tucano tomou posse do novo mandato no comando da mesa diretora no começo de fevereiro de 2021.

O PROS tinha ajuizado uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra a reeleição em oito assembleias, no entanto, o partido recuou da representação contra Traiano ao pedir desistência do pleito no Supremo Tribunal Federal (STF). Ainda caberá à corte decidir se acolhe a “amarelada”.

O PCdoB chegou a dizer que ingressaria no STF pedindo que os efeitos da ADI 6654, que anulou a reeleição na Assembleia Legislativa de Roraima, fossem estendidos à ALEP devido à similaridade do caso. Porém, a legenda vermelha só ficou na promessa.

O PSOL também afirmou que iria consultar a direção nacional sobre a possibilidade de aditamento da ADI, incluindo o caso da reeleição no Paraná, mas, ao que parece, se desmotivou.

A ação contra a reeleição na Assembleia de Roraima foi movida pelo PSOL nacional.

As desistências de PROS, PCdoB e PSOL mostram o poder de articulação do tucano Ademar Traiano inclusive na esquerda.