Justiça intima e filhas de Maradona falarão sobre morte nesta semana

A procuradoria do Ministério Público de San Isidro, na província de Buenos Aires, segue a investigação de possível negligência médica na morte de Diego Armando Maradona. Nesta semana, convocou Jana e Gianinna Maradona, duas das filhas reconhecidas pelo ex-jogador, para ampliar os depoimentos sobre a morte do pai.

“A ideia é fazer-lhes algumas questões pontuais que surgiram ao longo da investigação, detalhes que não tínhamos quando declararam pela primeira vez alguns dias após a morte do pai”, explicou uma fonte judicial à agência de notícias Télam.

Gianinna havia sido ouvida pelo Ministério Público no dia 28 de novembro, apenas três dias depois da morte de Maradona. Assim como Jana, ela afirmou que o neurocirurgião Leopoldo Luque, um dos réus da ação, era o médico da família. Além disso, ele era “o encarregado de tudo o que dizia respeito à saúde” do ex-jogador, como disse Jana em seu primeiro depoimento.

A medida em que a investigação avança, novos detalhes sobre os últimos dias de Maradona vem à tona. Mensagens de WhatsApp obtidas pela Télam revelaram o estado do ídolo argentino em seus últimos dias. O ex-jogador passou por episódios envolvendo vômitos, falta de apetite, variações de humor e dificuldades em lidar com a equipe média ao longo do mês de novembro.

As informações são do Metrópoles, parceiro do Blog do Esmael.