Globo lança tese do “BolsoLula” para 2022

Segundo O Globo, jornal dos Marinho, há evidências de um acordo tácito entre o ex-presidente Lula e o presidente Jair Bolsonaro com vistas às eleições 2022.

“A polarização Bolsonaro e Lula interessa aos dois”, disse o jornalista Merval Pereira, um dos porta-vozes da família proprietária do Grupo Globo.

Ao comentar a intervenção de Bolsonaro na direção da Petrobras, Merval disse ver semelhanças entre o presidente e os petistas.

‘Ele [Bolsonaro] se aproximou muito do que a ex-presidente Dilma fez, uma intervenção brutal. Essas coisas aproximam muito os governos com viés autoritário. O PT sempre tentou controlar a imprensa’, disse o comentarista.

Merval observa que o ponto de “convergência” maior entre Bolsonaro e Lula surgiu da necessidade de combater um inimigo comum: o encrencado ex-juiz Sergio Moro.

Os demais articulistas do Globo também ficaram ensandecidos, a exemplo de Malu Gaspar, ao anotar que suposto apoio do PT a Bolsonaro na mudança de direção da Petrobras “revela afinidades”.

Não é bem assim. A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), concordou que é um direito do presidente mexer nas direções das empresas estatais, no entanto, asseverou a chefe petista, faltou coragem para Bolsonaro mudar a política de preços dos combustíveis.

Atualmente, a Petrobras aumenta o preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha de acordo com a variação do dólar e a cotação internacional do petróleo, porém, nesse quesito, Bolsonaro já disse que não tem interesse em alterar.

A simples troca de nome no comando da estatal de petróleo, entrando o general Joaquim Silva e Luna no lugar de Roberto Castello Branco, até seduziu alguns setores da esquerda. Muitos ingenuamente acreditam que um “nacionalista” assumiu a empresa, quando, na verdade, tudo não passou de mais uma “boquinha” para os militares. Tudo continua como dantes para o consumidor.

Bolsonaro, por sua vez, disse nesta quinta-feira (25) que uma estatal, seja ela qual for, tem que ter visão de social.

Em discurso em Foz do Iguaçu (PR), o presidente da República elogiou hoje o general Joaquim Silva Luna.

“Estando à frente dessa estatal, binacional, ele realmente a conduziu de forma ímpar, combatendo desvios, colocando-a no rumo da prosperidade, colaborando com o governador do estado, senhor Ratinho Jr., colaborando com mais de 30 prefeituras da região. Ou seja, uma estatal, seja ela qual for, tem que ter visão de social. Não podemos admitir uma estatal, um presidente, que não tenha essa visão”, destacou.