Defesa de Trump contra impeachment alega que liberdade de expressão está em jogo

Compartilhe agora

A defesa do ex-presidente Donald Trump foi para a ofensiva nesta sexta-feira (12) ao classificar a acusação da Câmara de uma “mentira absurda e monstruosa”. O advogado Bruce Castro se referia à invasão do Congresso no dia 6 de janeiro.

Segundo o defensor de Trump, o processo de impeachment no Senado viola a liberdade de expressão porque o discurso do ex-presidente aos seus apoiadores em 6 de janeiro foi protegido pela primeira emenda.

“Este julgamento envolve muito mais do que o presidente Trump”, disse o advogado Bruce Castor. Ele disse que o julgamento consiste em cancelar um discurso com o qual “a maioria não concorda”.

“Vamos permitir que o cancelamento e o silenciamento sejam sancionados neste corpo?”, perguntou Castor.

O argumento de defesa de Trump parece depender de a) o discurso de Trump em 6 de janeiro não incitou o motim (embora a equipe de defesa não tenha abordado as declarações anteriores de Trump) e b) em qualquer caso, o que Trump disse é protegido por leis de liberdade de expressão.

O advogado não abordou a questão mais ampla de se o discurso de meses de Trump contra o resultado da eleição teve algo a ver com isso.

“O discurso de 6 de janeiro não causou os distúrbios”, disse Castor.

Castor então passou para o telefonema de janeiro entre Trump e o secretário de estado da Geórgia, Brad Raffensperger. Durante essa ligação, Trump pressionou Raffensperger, um republicano, para “encontrar” votos para que Trump pudesse ser anunciado o vencedor na Geórgia.

Os promotores da Geórgia abriram um inquérito criminal sobre a ligação de Trump.

Castor leu uma transcrição da chamada e disse que Trump estava expressando preocupação legítima com o resultado da eleição.

Para algum contexto, aqui está um pouco do que Trump disse naquele telefonema da Geórgia:

“Então olhe. Tudo que eu quero fazer é isso. Só quero encontrar 11.780 votos, um a mais do que nós. Porque ganhamos o estado.”

Confiantes de que têm votos republicanos suficientes para absolver Trump, os advogados usaram apenas cerca de três das 16 horas atribuídas, permitindo aos senadores prosseguir na sexta-feira à tarde para um período de questionamento da acusação e defesa.