eduardo bolsonaro

Conselho de Ética arquiva representação contra Eduardo Bolsonaro

O Conselho de Ética da Câmara arquivou, nesta quarta-feira (24/2), investigação contra o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) apresentada pelo PSL, a pedido da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Na representação, de 2019, quando houve um racha na legenda, o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é acusado de ter quebrado o decoro ao promover “linchamento virtual” contra a parlamentar.

Dos 16 integrantes do conselho que votaram nesta quarta-feira, 12 seguiram o parecer apresentado pelo deputado Eduardo Costa (PTB-BA). Ao propor o arquivamento, Costa argumentou o princípio da imunidade parlamentar e apontou que Eduardo Bolsonaro não foi o autor das postagens difamatórias que, em sua visão, foram feitas por terceiros.

Nas redes sociais, Eduardo Bolsonaro comemorou o arquivamento e lembrou da postagem na qual exibia o rosto da colega de partido em uma nota de R$ 3.

Na época em que a representação foi colocada, havia uma disputa pela liderança do PSL na Câmara. Para o relator, as manifestações de Eduardo Bolsonaro não podem ser punidas como quebra de decoro parlamentar.

“As manifestações do deputado Eduardo Bolsoarno referente à deputada Joice Hasselmann não se mostraram, de forma alguma, dissociada de sua atuação paramentar.  o contrário, relatam assim que em tom jocoso sua opinião crítica acerca do desempenho da deputada”, disse Costa.

A deputada Fernanda Melchiona (PSol-RS), no entanto, divergiu do relator, mas foi voto vencido. Segundo ela, ficou claro que Eduardo comandava o chamado “gabinete do ódio”, responsável, na opinião dela, pela disseminação das mensagens contra a deputada.

“Essa representação precisa seguir, principalmente hoje, que faz 89 anos que as mulheres conquistaram o voto no Brasil”, disse a parlamentar.

As informações são do Metrópoles, parceiro do Blog do Esmael.