Toffoli e Fux ensaiaram a censura à entrevista de Lula nas eleições de 2018, diz pesquisador

Compartilhe agora

O pesquisador Rubens Glezer, coordenador do grupo de estudos da FGV Supremo em Pauta, disse em entrevista à Folha que Dias Toffoli e Luiz Fux, em 2018, ensaiaram a jogada que resultou na censura à entrevista do ex-presidente Lula.

Na época, Lula estava preso político na superintendência da Polícia Federal de Curitiba e o ministro Ricardo Lewandowski havia concedido uma liminar favorável à jornalista Mônica Bergamo, da Folha, para entrevistar o petista.

“Foi claramente orquestrado e com várias fragilidades jurídicas e processuais na tese, para derrubar a decisão do Lewandowski”, disse o pesquisador. “Foi uma jogada ensaiada. E quando Fux chega à presidência, ele usa essa arma que ele mesmo criou, e revoga a liberação do André do Rap”, emendou, referindo-se à cassação da decisão do ministro Marco Aurélio Mello.

Segundo Glezer, em perspectiva, os ministros do Supremo não aprenderam que essa conduta, com muitas aspas “heroica”, está colocando os ministros e a instituição em um buraco.

A entrevista de Lula, durante o processo eleitoral, poderia ter impedido a eleição do presidente Jair Bolsonaro. Portanto, a tese do pesquisador da FGV mostra que o golpe contou com a participação do Supremo e tudo –como prescrevera o ex-senador Romero Jucá (MDB-RR).