Rússia anuncia que sua segunda vacina contra o coronavírus é 100% eficaz

Compartilhe agora

De acordo com os resultados dos ensaios clínicos, a eficácia da vacina EpiVacCorona coronavírus, desenvolvida pelo centro científico russo de virologia e biotecnologia Véktor, é de 100%, conforme anunciado nesta terça-feira (19) pela assessoria de imprensa da agência de saúde russa Rospotrebnadzor .

“A eficácia da vacina consiste em sua eficácia imunológica e preventiva. De acordo com os resultados da primeira e segunda fase dos ensaios clínicos, a eficácia imunológica da vacina EpiVacCorona é de 100%”, diz o comunicado.

A segunda vacina russa
Com base em antígenos peptídicos, o EpiVacCorona foi registrado em meados de outubro e em novembro o Ministério da Saúde da Rússia autorizou o centro Véktor a realizar testes clínicos em até 3.000 voluntários e pessoas com mais de 60 anos de idade.

No início de dezembro, as autoridades de saúde russas entregaram documentos sobre o EpiVacCorona à Organização Mundial da Saúde (OMS) para revisão.

No final de novembro, o centro Véktor anunciou que sua vacina garante imunidade contra o coronavírus um mês após a primeira injeção. “O nível de proteção pode ser alcançado em um período diferente para cada pessoa, mas em média ele se forma em um mês”, explicou Alexander Rýzhikov, diretor do departamento de zoonoses e influenza.

Ele também destacou que a inoculação de EpiVacCorona em pacientes que sofrem de formas assintomáticas de Covid-19 não traz riscos à saúde . A instituição garante que a injeção pode ser benéfica para alguns desse tipo de paciente, bem como inútil para outros, mas em nenhum caso prejudicial.

A primeira vacina russa contra covid-19, chamada Sputnik V em homenagem ao primeiro satélite artificial, lançado pela URSS em 1957, foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya em Moscou e foi registrada em 11 de agosto.

A terceira vacina russa ChuVac, desenvolvida pelo centro de Chumakov, já passou pelas duas primeiras etapas de testes em voluntários e poderá ser produzida em massa a partir de fevereiro próximo.

As informações são da RT