PT vê mãos de Bolsonaro sujas de sangue no caso de Manaus

Compartilhe agora

Governo Bolsonaro foi alertado sobre colapso em Manaus 10 dias antes, diz PT, a partir de reportagem de ‘Pública’

Para o PT, o presidente Jair Bolsonaro ficou com as mãos sujas de sangue no caso da falta de oxigênio nos hospitais de Manaus.

O partido cita reportagem da ‘Agência Pública’ publicada nesta segunda-feira (18), que revela a existência de um relatório do Ministério da Saúde de 4 de janeiro apontando “possibilidade iminente de colapso” do sistema de saúde em Manaus.

“O diagnóstico foi a principal conclusão de uma comitiva do Ministério da Saúde que visitou a capital do Amazonas mais de uma semana antes do colapso no sistema de saúde local”, diz a Pública, que destacou a reportagem em manchete. “Exatos 10 dias depois, hospitais de Manaus esgotaram suas reservas de oxigênio com pacientes morrendo por asfixia.”

Ainda de acordo com a agência de jornalismo investigativo, a pasta também identificou dificuldades na compra de materiais para consumo hospitalar, como medicamentos e equipamentos, problemas na contratação de profissionais de saúde habilitados para trabalhar nas UTIs, além da urgência em providenciar novos leitos rapidamente para os pacientes em espera desde o inicio de janeiro.

“O governo também já sabia da possibilidade de transferência de pacientes para hospitais universitários federais de todo o Brasil e para a rede de saúde no Rio de Janeiro”, revela a agência de notícias. Ainda de acordo com a Pública, o relatório foi enviado pela Advocacia Geral da União (AGU) ao Supremo Tribunal Federal no domingo (17).

A pasta, informa a agência, vinha alertando sobre os problemas em Manaus desde dezembro, quando identificou um aumento expressivo de casos e internações. O quadro levou Pazuello a reunir-se com técnicos da pasta para tratar do assunto. Foi quando decidiu-se pela viagem para Manaus.

“No dia 6 de janeiro, o Ministério da Saúde publicou o “Plano Manaus”, com decisões para o governo federal e também orientações às administrações estaduais e municipais para lidar com o colapso iminente”, observa a reportagem, para em seguida apontar o fracasso do governo na resolução da crise para evitar mortes.

“A atuação do Ministério da Saúde, contudo, ocorreu tarde demais para Manaus. Em documento do dia 17 de janeiro, o governo reconhece que “os casos de hospitalização seguiram subindo” nos dias seguintes à execução do ‘Plano Manaus’”, afirma a agência.

O PT não tem dúvidas: as mãos de Bolsonaro ficaram sujas de sangue no caso de Manaus.