O Brasil não está quebrado, é mal administrado, diz Requião

O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), que já foi governador do Paraná três vezes, contestou o presidente Jair Bolsonaro segundo qual o Brasil está quebrado e ele, mandatário, não tem nada que fazer.

“Perdão Bolsonaro. O Brasil não está quebrado. Esta é mal administrado, política e economicamente”, pontou Requião, que se prepara para voltar à governo do estado em 2022.

No fim de semana, o emedebista anunciou a correligionários que disputará o governo do Paraná nas eleições 2022.

A declaração de Requião, contestando Bolsonaro, ocorre em um momento que a depressão econômica vem à tona no início deste ano de 2021. A indústria automobilística, por exemplo, teve queda de 26% nas vendas de veículos no ano passado.

A fala de Bolsonaro, dizendo que não sabe o que fazer, desencadeou uma crise política e na manhã desta quarta-feira (6), em Brasília, o presidente se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, principal representante dos interesses dos bancos no governo.

Trocar impostos e tarifas por empregos e conforto

“Na crise de 2008 congelamos as tarifas de água e de energia elétrica”, disse o ex-senador Roberto Requião (MDB), que esta semana lançou sua pré-candidatura ao governo do Paraná. “Os mais pobres tinham energia gratuita até 100 kilowatts, para que funcionasse uma geladeira que fosse possível um banho quente no inverno. Evitava uma pneumonia ou a deterioração dos alimentos”, disse.

Requião propõe voltar ao Palácio do Iguaçu, sede do governo do Paraná, para restaurar programas sociais e retornar seus programas de microcrédito e isenção fiscal para alguns setores de pequenas e médias empresas.

Na época que foi governador, o emedebista isentava tarifas de água e luz e ainda reduzia impostos de 95 mil itens alimentícios. “É a troca de impostos por empregos”, disse.