Cuba rebate Trump: ‘Nós enviamos médicos ao mundo para combater a Covid-19, não somos terroristas’

O governo cubano classificou de hipócrita os Estados Unidos por incluírem o país caribenho na lista de nações terroristas. A alegação é que a ilha apoia Nicolás Maduro, da Venezuela.

Cuba rejeita a qualificação dizendo que os EUA, o maior terrorista do mundo, acusam a nação que mais enviou médicos ao mundo para ajudar a salvar vidas do flagelo do COVID-19.

“Os fatos revelam a vergonha do império”, dizem os cubanos.

O chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla chamou de hipócrita e cínica a decisão americana, que, de acordo com ele, a administração imperial trata a mentira segundo seus interesses políticos, econômicos ou quaisquer outros.

“O oportunismo político desta ação é reconhecido por quem tem uma preocupação honesta com o flagelo do terrorismo e suas vítimas”, argumentou o chanceler cubano.

Cuba afirma que a grave acusação apenas acrescenta crédito ao descrédito e à imoralidade da política externa dos Estados Unidos, justamente quando as mais vergonhosas manifestações de desprezo pela vida de seres humanos estão ocorrendo em sua própria nação –referindo-se à invasão do Congresso pelos partidários de Donald Trump.

“O país que, em sua arrogância, levanta tal farsa contra Cuba, é o mesmo país que promove o extremismo político e encoraja os homens armados a tomarem de assalto as instituições públicas; que, ao subordinar a Saúde ao mercado, expõe seus cidadãos ao contágio e à morte em massa por uma epidemia; que assassine, seletivamente e fora de suas fronteiras, aqueles que considera inimigos, e que, em silêncio cúmplice, se abstenha de condenar o atentado com fuzil à embaixada do país que agora acusa abertamente de ser terrorista e que bloqueou por mais de 60 anos, para fazê-lo desistir da fome e da miséria.”

“Os Estados Unidos, o maior terrorista do mundo, qualificam como patrocinador deste flagelo a nação que mais enviou médicos ao mundo para ajudar a salvar vidas do flagelo do COVID-19. Os fatos revelam a vergonha do império.”

A qualificação de Cuba como nação terrorista nos estertores é um desespero de Trump para tentar girar a agenda política nos EUA. Ele é alvo do segundo pedido de impeachment por incitar a violência no golpe da última quarta-feira (6), quando cinco pessoas perderam a vida.

Os cubanos divulgaram um vídeo de um homem que abriu fogo contra a embaixada de Cuba em Washington (30 de abril de 2020). Confira: