Congresso americano confirma vitória de Biden; fracassou a tentativa de golpe de Trump

Compartilhe agora

O Congresso ratificou a vitória de Biden nas eleições após um dia em que uma multidão de partidários de Trump invadiu o Capitólio. O presidente Trump emitiu um comunicado dizendo que haveria uma “transição ordeira” em 20 de janeiro.

O Congresso dos EUA confirmou a vitória do presidente eleito Joseph R. Biden Jr. na manhã desta quinta-feira (7), horas depois que uma multidão de partidários incitados pelo presidente Donald Trump invadiu e ocupou o Capitólio, interrompendo a contagem eleitoral final em uma chocante demonstração de violência que abalou o núcleo da democracia americana.

O presidente Trump, que passou meses açulando seus apoiadores com falsas alegações de que a eleição foi roubada e se recusou a condenar os violentos protestos de ontem (6), disse hoje que respeitaria os resultados.

“Embora eu discorde totalmente com o resultado da eleição e os fatos me confirmem, haverá uma transição ordenada em 20 de janeiro”, disse ele em um comunicado.

A declaração veio momentos depois que a vitória de Biden foi certificada pouco antes das 4 da manhã por uma sessão conjunta do Congresso presidida pelo vice-presidente Mike Pence.

Não houve paralelo na história americana moderna, com insurgentes agindo em nome do presidente vandalizando o gabinete da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, quebrando janelas, saqueando arte e assumindo o controle da Câmara do Senado por um breve período, onde se revezavam posando para fotos com os punhos erguidos no estrado onde o vice-presidente, Mike Pence, acabara de presidir.

No momento em que o Senado se reuniu na noite desta quarta-feira, horas depois que os legisladores foram evacuados de um Capitólio invadido por vândalos carregando parafernálias pró-Trump, um dos momentos mais polarizadores do país produziu uma janela inesperada de solidariedade. Republicanos e democratas cruzaram os braços para denunciar a violência e expressar sua determinação em cumprir o que chamaram de função constitucionalmente sacrossanta.

“Para aqueles que causaram estragos em nosso Capitólio hoje, vocês não ganharam”, disse Pence em uma pausa brusca de Trump, que havia elogiado a multidão. “A violência nunca vence. A liberdade vence. E esta ainda é a casa do povo.”

O senador Mitch McConnell, republicano de Kentucky e líder da maioria, disse que a “insurreição fracassada” apenas esclareceu o propósito do Congresso.

“Eles tentaram perturbar nossa democracia”, disse ele. “Eles falharam.”

Depois que a votação foi finalmente certificada, Barry C. Black, o capelão do Senado, fez uma oração na Câmara reconhecendo a violência.

“Essas tragédias nos lembraram que as palavras são importantes e que o poder da vida e da morte está na língua”, disse ele.

A revolta se desenrolou em um dia em que os democratas garantiram duas vitórias impressionantes no segundo turno na Geórgia, conquistando o controle efetivo do Senado e todas as alavancas de poder em Washington. E chegou quando o Congresso se reuniu para o que normalmente teria sido uma sessão formal e cerimonial para declarar a eleição de Biden.

O cerco foi o clímax de uma campanha de uma semana de Trump, cheia de alegações infundadas de fraude e mentiras descaradas, para tentar derrubar uma eleição democraticamente decidida que ele perdeu.

“Nós nos reunimos devido ao orgulho ferido de um homem egoísta e à indignação dos apoiadores que ele deliberadamente desinformou nos últimos dois meses e agiu esta manhã”, disse o senador Mitt Romney, republicano de Utah e candidato à presidência de 2012, após a câmara se reuniu novamente. “O que aconteceu aqui hoje foi uma insurreição incitada pelo presidente dos Estados Unidos.”

Na noite de terça-feira (5), Biden, tentando conter a anarquia que Trump havia alimentado com linguagem irada, exortou os manifestantes a abandonar o que equivalia a uma ocupação armada da Câmara e do Senado. O presidente eleito denunciou a recusa de Trump em aceitar graciosamente a derrota e sugeriu que o presidente era o culpado pela violência.

“Na melhor das hipóteses, as palavras de um presidente podem inspirar”, disse Biden. “Na pior das hipóteses, elas podem incitar.”

Resumo da ópera: Trump sairá da Casa Branca diretamente para o lixo da história.