Chefe da OMS alerta contra ‘nacionalismo vacinal’ durante a pandemia de COVID-19

Compartilhe agora

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na última sexta-feira (8) contra o “nacionalismo da vacina”, já que alguns países mais ricos encomendaram mais doses do que o necessário para combater a COVID-19.

O Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a COVAX, um esforço colaborativo global para a vacinação contra o coronavírus, agora garantiu contratos de 2 bilhões de doses de vacinas COVID-19 seguras e eficazes, que estarão prontas para serem distribuídas assim que as vacinas forem entregues.

Mas, disse ele em uma entrevista coletiva virtual de Genebra, o desafio é que enquanto 42 países, incluindo 36 países de alta renda e seis países de renda média, estão agora lançando vacinas COVID-19 seguras e eficazes”, há um problema claro de que os países de baixa e média renda ainda não estão recebendo a vacina”.

Este é um problema que pode e deve ser resolvido em conjunto, afirmou, através da COVAX e do ACT-Accelerator, uma iniciativa global para acelerar o desenvolvimento, produção e distribuição equitativa de testes, medicamentos e vacinas.

Tedros observou que, no início, os países ricos compraram a maior parte do suprimento de várias vacinas e agora tanto os países de alta e média renda, que fazem parte da COVAX, estão fechando acordos bilaterais adicionais.

“Isso potencialmente aumenta o preço de cada um e significa que as pessoas de alto risco nos países mais pobres e marginalizados não recebem a vacina”, disse ele.

O chefe da OMS destacou ainda que algumas empresas e países não enviaram dados críticos, o que bloqueia todo o sistema de aquisição e entrega.

“O nacionalismo da vacina prejudica a todos nós e é contraproducente”, disse ele.

Ele disse que, por outro lado, a vacinação salva vidas com igualdade, estabiliza os sistemas de saúde e levaria a uma recuperação econômica verdadeiramente global que estimula a criação de empregos.

Ele também disse que deseja que os fabricantes priorizem o fornecimento e a implementação por meio da COVAX.

“Peço aos países que contrataram mais vacinas do que precisam e estão controlando o fornecimento global, que também as doem e as liberem para a COVAX imediatamente, que está pronta hoje para ser lançada rapidamente”, disse ele. “E exorto os países e fabricantes a pararem de fazer negócios bilaterais às custas da COVAX.”

Na sexta-feira, a Comissão Europeia anunciou que propôs aos países membros da União Europeia a compra de mais 200 milhões de doses da vacina COVID-19 produzida pela BioNTech e Pfizer, com opção de aquisição de mais 100 milhões de doses.

Isto permitiria à UE adquirir até 600 milhões de doses desta vacina, que já está a ser utilizada em toda a UE. As doses adicionais serão entregues a partir do segundo trimestre de 2021.

“Portanto, o fato é que a Europa terá vacinas mais do que suficientes dentro de um prazo confiável. E isso também mostra que o caminho que tomamos juntos na Europa é o certo”, disse a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, na sexta-feira, anunciando o adicional doses de vacinas.

Na sexta-feira, Tedros também alertou as pessoas contra a complacência, pois as vacinas estão começando a ser distribuídas. Nos últimos dias, a OMS relatou alguns dos maiores números de mortes registrados em qualquer ponto da pandemia.

“Isso está acontecendo porque, nas semanas anteriores, houve um descumprimento do que as autoridades de saúde estão aconselhando em vários países”, disse ele, acrescentando que o vírus se aproveitou disso e está se espalhando a taxas alarmantes em alguns países.

Os Estados Unidos relataram mais de 4.000 mortes por COVID-19 na quinta-feira, o maior desde o início da pandemia, há um ano. É também o terceiro dia consecutivo de mortes diárias recordes pelo novo coronavírus, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

O número de pessoas infectadas nos Estados Unidos ultrapassou 21,56 milhões, quase um quarto do total global.

“Isso continuará nas próximas semanas e nos próximos meses, se não mudarmos nosso comportamento”, disse Maria Van Kerkhove, chefe técnica da OMS no COVID-19, sobre o aumento de casos, mortes e hospitalizações em alguns países.

As informações são do China DailyChefe da OMS alerta contra ‘nacionalismo vacinal’