Artistas fazem performance contra a atuação de Jair Bolsonaro no combate à pandemia

Artistas fizeram neste domingo (31) intervenção no gramado da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, lembrando as mortes por falta de oxigênio em Manaus.

O recado da classe artística foi claro e objetivo: Fora Bolsonaro! Queremos respirar!

A performance contra a atuação do governo federal no combate à pandemia fez parte das manifestações da 4ª edição do #stopbolsonaromundial.

No Distrito Federal, a manifestação pediu o impeachment já do presidente Jair Bolsonaro.

Fora Bolsonaro já

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara se uniram hoje, na capital federal, a centenas de pessoas que participaram de atos cênicos performáticos e de carreata na manifestação do 4º Stop Bolsonaro Mundial, que aconteceu em todos o Brasil e em mais de 20 países.

Os parlamentares do PT, em sintonia com os manifestantes, pediram o impeachment do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro e defenderam a vida, a vacinação em massa contra a Covid-19, a volta do auxílio emergencial e a implementação de uma política econômica geradora de empregos.

Em Brasília, a grande carreata tomou conta do Eixo Monumental e desceu até a Esplanada dos Ministérios, onde aconteciam os atos performáticos com artistas do Distrito Federal denunciando o sufocamento que Bolsonaro está provocando no País, com uma política genocida que já provocou mais de 220 mil mortes por Covid-19 e uma profunda crise na saúde pública. Outras artistas denunciaram os gastos exorbitantes de recursos públicos na compra de produtos supérfluos como leite condensado, que custou R$15 milhões aos cofres públicos.

Bolsonaro é a crise

Para a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), os crimes cometidos por Bolsonaro estão comprovados. “Tá aí, é o resultado da gestão de Bolsonaro, 224 mil mortos já no Brasil, mais de 10 milhões de infectados. O governo não age de forma coordenada, o governo não tem a vontade de enfrentar e salvar vidas, aliás tudo o que fez foi exatamente para que as pessoas se entregassem ao vírus, e agora nós estamos nesse caos”, denunciou. Ela ainda destacou que para o Brasil melhorar e superar a crise aguda, só há um caminho: “Tirar quem é o epicentro da crise, que é Jair Bolsonaro”.

O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), disse que o efeito do ato simbólico que está acontecendo no Brasil e no mundo é muito maior do que se imagina. “É o mundo todo observando que ninguém aguenta mais um presidente genocida, um presidente que não tem a preocupação com a vida das pessoas”.

Impeachment já

Verri também falou sobre os 62 pedidos de impeachment protocolados na Câmara Federal. “Já são 62 pedidos de impeachment depositados na Câmara. Temos que mobilizar todo Brasil e exigir que seja votado um dos pedidos imediatamente. Só há um grito no Brasil hoje: Impeachment já”.

O líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), assegurou que as condições políticas estão melhorando para que o impeachment de Bolsonaro aconteça. “As condições políticas estão melhorando, todo mundo está dizendo que esse governo genocida não tem jeito. Nós precisamos estar juntos na mobilização como vocês estão vendo aqui com esses cartazes. A carreta é muito maior do que a da semana passada”, observou Guimarães .

Ele informou que em todas as regiões do País “Fora, Bolsonaro!” toma corpo na pressão sobre o Congresso, porque é ali que deve ser aberto do o processo de impeachment. “Por isso que estamos aqui. Fora Bolsonaro e fora todo esse governo genocida que está pactuando com as mortes em Manaus e não tem sequer cuidado com o povo brasileiro para arrumar a vacina. Impeachment Já”, disse Guimarães.

Governo assassino

O líder da Oposição no Congresso, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), questionou o que o povo brasileiro pode esperar do governo Bolsonaro, além do desemprego, de miséria e das mortes por falta de um plano mínimo de vacinação, de atendimento e de prevenção à Covid-19.

“Nós já temos mais 220 mil mortes no Brasil e isso vai continuar, porque para Bolsonaro pouco importa que morram as pessoas, pouco importa que famílias fiquem sem seus entes queridos, pouco importa o desemprego. Para ele e Paulo Guedes, nada disso importa. E eles cometem um após outro crime de responsabilidade”.

Zarattini disse ainda que não são só os partidos de esquerda que pedem a saída de Bolsonaro, mas também os religiosos, ex-procuradores da República e juristas. “É dessa forma que nós estamos vendo o Brasil se unir contra Bolsonaro e é por isso que essa mobilização vai engrossar, vai crescer. O Brasil vai se unir de Norte a Sul numa só palavra: Fora, Bolsonaro! Essa é a nossa luta”.

Já a deputada Erika Kokay (PT-DF) afirmou: “Estamos aqui para dizer que a gente resiste. Que a gente vai tirar Jair Bolsonaro, vai tirar a mentira, vai tirar o ódio, vai tirar a morte do Palácio do Planalto”.

Luta democrática

“Fora, Bolsonaro!”, exclamou o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) . “O movimento está crescendo em todo mundo, vamos fortalecer, cada vez mais, essa luta. Agora está sendo criado um clima na sociedade e as condições para que a gente possa, cada vez mais, colocar essa pauta com força”, afirmou.

Para o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) é fundamental que o país ocupe as redes e que o Parlamento brasileiro construa as condições do impeachment. “Eu sou defensor do impeachment. É fundamental que o País possa colocar esse homem para fora da Presidência, porque significa a perda de milhares de vidas e também um prejuízo enorme para toda a economia”.

Reginaldo Lopes acursou Bolsonaro de ser “um irresponsável”, pois deixou o País sem funcionar. “São um monte de fanáticos, loucos, racistas, fascistas, preconceituosos. Então chegou a hora, estamos juntos nessa grande manifestação e organizando a luta para colocar Bolsonaro para fora da Presidência da República”.