Aglomeração de Bolsonaro em Praia Grande: mito ou genocida? [vídeo]

Compartilhe agora

Para o presidente Jair Bolsonaro, não basta sabotar a vacinação, é preciso aglomerar, quando a orientação das autoridades sanitárias dizem para respeitar o distanciamento.

Bolsonaro passeou de lancha neste 1º de janeiro de 2021 em Praia Grande, litoral de São Paulo, quando resolveu nadar [“boiar”] até dezenas de apoiadores que lhe saudaram com gritos de ‘mito, mito, mito!’ e com xingamentos contra o governador de São Paulo, João Doria [ei, Doria, vai tomar no cu!].

O governador paulista respondeu dizendo que Bolsonaro gosta mesmo é do cheiro da morte, do cheiro da pólvora e do cheiro do dinheiro das rachadinhas. “Presidente: trabalhe mais e fale menos”, disparou.

Doria disse ainda que no momento em que o Brasil precisa de paz e atitudes para combater a pandemia e salvar vidas, o presidente Jair Bolsonaro o ataca mais uma vez, covardemente. “A inoperância e o negacionismo do Governo desse presidente, estimularam a morte de 194 mil brasileiros para a Covid-19.”

Diante dos fatos narrados acima e o vídeo abaixo, Bolsonaro é um “mito” ou um “genocida”? Pense sobre isso.

O deputado Rogério Correia (PT-MG), pelo Twitter, opinou: “Lá vai o genocida celebrar a morte e a desesperança! Energúmeno maldito! Capitão do mato!”