Adeus, querido: aprovação de Bolsonaro despenca de 37% para 26%

A aprovação do presidente Jair Bolsonaro entrou em viés de queda, segundo levantamento da revista Exame/Ideia. De acordo com a sondagem, a popularidade cai de 37% para 26% com o avanço da pandemia de covid e o fim do auxílio emergencial.

Contribuiu para o despencar da aprovação de Bolsonaro a a crise de saúde pública em Manaus e desencontros sobre o cronograma de vacinação.

O tombo do presidente Jair Bolsonaro, de 37% para 26%, foi captada em um monitoramento semanal.

A Paraná Pesquisas, grosso modo, também mostrou a popularidade de Bolsonaro no chão ao revelar que os brasileiros culpam o presidente da República pelo atraso na vacina enquanto os entrevistados isentam o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

É a maior queda semanal desde o início de seu governo, diz a Exame, em parceria com o Ideia –instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

A pesquisa mostrando a popularidade do presidente desabar ocorre ao mesmo tempo em que aumenta a pressão pelo impeachment de Bolsonaro.

A desaprovação do presidente é maior nos estratos de maior renda e de maior escolaridade: entre os que ganham mais de cinco salários mínimos, 58% não aprovam a gestão do presidente. No grupo dos que têm ensino superior, 64% desaprovam o governo federal.

Os evangélicos e os moradores da região Centro-Oeste são os que mais aprovam Bolsonaro.

O levantamento foi realizado por telefone, em todas as regiões do país, entre os dias 18 e 21 de janeiro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.