William Bonner e Renata Vasconcellos são intimados para depor na Polícia após divulgação do Caso Queiroz

Os jornalistas William Bonner e Renata Vasconcellos, apresentadores do Jornal Nacional, foram intimados nesta sexta-feira (4) para depor sobre suposto crime de desobediência a decisão judicial com relação a publicações que envolvem a investigação das “rachadinhas” no gabinete da Alerj (Assembleia Legislativa do RJ) de Flávio Bolsonaro, o chamado Caso Queiroz.

A TV Globo diz que não irá se manifestar publicamente sobre a intimação porque, segundo a emissora, ela foi proibida judicialmente de publicar informações sigilosas sobre o caso, que envolve o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), primogênito do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e o ex-assessor dele Fabrício Queiroz.

A intimação de Bonner e Renata se deu após Flávio Bolsonaro entrar com uma queixa-crime na DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática).

A abertura de inquérito contra os apresentadores do Jornal Nacional tem por objeto a investigação de “desobediência a decisão judicial sobre perda ou suspensão de direito”.

Os mandatos de intimação contra Renata Vaconcellos e William Bonner foram expedidos pelo delegado Pablo Dacosta Sartori, o mesmo que indicou o youtuber Felipe Neto.

Na intimação, se lê que a ausência dos jornalistas sem justificativa no local, data e horário estipulados incorrerão em “crime de desobediência, previsto no artigo 330 do Código Penal”.

O Art. 330 do CP estabelece: “Desobedecer a ordem legal de funcionário público: Pena – detenção, de quinze dias a seis meses, e multa.”

Após derrota para os Bolsonaro, Globo leva briga ao Supremo Tribunal Federal

Leia a íntegra da Reclamação Constitucional da TV Globo contra o TJ-RJ

Globo continua proibida de falar das ‘rachadinhas’ do Clã Bolsonaro

Jornal Nacional, da Globo, vai denunciar censura dos Bolsonaro