Vista por cima, manifestação contra a vacina foi um fiasco em São Paulo

Faltou quórum na manifestação bolsonarista contra a vacina em São Paulo. Vista por cima, de um ângulo aberto, o protesto a favor da cloroquina foi um fiasco.

Dentre as palavras de ordem dos manifestantes estava “não à vacHina”, em alusão ao laboratório chinês Coronavac, e “queremos cloroquina” para combater a covid-19.

Nas redes sociais, internautas da “cepa” bolsonarista, qual seja, fundamentalistas, defendem a aplicação da vacina “primeiro” nos petistas. Isso porque eles [os bolsonaristas] acreditam, incrivelmente, que o imunizante pode transformá-los em “jacaré” –como ensinou erradamente o presidente Jair Bolsonaro.

O ex-presidente Lula, no Twitter, desmentiu a fake news segunda qual a vacina transforma uma pessoa num réptil.

“Mais de 80 milhões de pessoas vacinadas em 3 meses quando o Brasil tinha um governo que cuidava das pessoas. Ninguém virou jacaré”, lembrou o petista, se referindo à pandemia da gripe H1N1, em 2010.

Vergonha alheia em Curitiba

O movimento antivacina reuniu negacionistas e bolsonaristas na Boca Maldita, centro de Curitiba. Eles não somavam mais que meia dúzia, sem máscara, que bradavam contra o perigo do comunismo e defendiam o tratamento precoce com a cloroquina.

Em síntese, na capital paranaense, o fiasco da manifestação bolsonarista foi uma repetição do protesto em São Paulo: poucas pessoas e uma histeria contra a vacina.