Vigarice do governo Bolsonaro em relação à pandemia chama atenção do mundo

O mundo ficou estupefato não com a omissão do governo Jair Bolsonaro em relação à pandemia de Covid-19, mas com sua vigarice acerca da procrastinação da vacinação em massa no Brasil.

Até o laboratório da Pfizer recebeu com estranhamento o anúncio do “plano de vacinação” feito por Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, após ele mesmo bater boca com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), no dia anterior. Em reunião com governadores na terça-feira (8), Pazuello disse que a vacinação no Brasil começaria somente no fim de fevereiro.

Nesta quarta-feira (9), porém, o mesmo Pazuello declarou que poderá haver vacinação contra a Covid-19 no Brasil ainda neste mês de dezembro, ou no início de janeiro de 2021, se a farmacêutica Pfizer conseguir uma autorização emergencial junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O problema é que o governo federal ainda depende da compra de milhões de seringas e agulhas e até agora não há na Anvisa nenhum pedido de registro ou uso emergencial de vacinas.

A Pfizer, em nota, afirma que “isso seria em quantidades pequenas, de uso emergencial. Observando que a autorização emergencial depende da Anvisa e termos contratuais a serem definidos entre MS, Pfizer e/ou qualquer laboratório.”

Pressionado por movimentos pró-vacina, o governo brasileiro anunciou na terça-feira (8) termo de intenção para comprar 70 milhões de doses da empresa. Antes, o governo dizia que o país não tinha infraestrutura para armazenar as doses na temperatura exigida de 70º C negativos.

O mundo está estupefato com a vigarice do governo Bolsonaro, que não consegue sequer anunciar um consistente plano de vacinação.

O que dizer de um governo que não consegue proteger seu povo? Fora Bolsonaro, óbvio.

A insegurança sanitária e a falta de compromisso do governo Bolsonaro com a vida das pessoas está levando prefeitos e governadores a uma insana corrida por vacinas. Líderes estaduais e municipais estão por conta própria fazendo acordos com laboratórios e, pela primeira vez na história do país, agindo como se não houvesse poder central.

Bolsonaro zera alíquota da importação de armas de fogo enquanto os brasileiros pedem vacina contra a covid-19

OAB quer que verba da Lava Jato seja usada para comprar vacina contra Covid-19

Bolsonaro procrastina vacinação porque quer ainda promover a cloroquina