Sem obras próprias, Bolsonaro inaugura ponte iniciada por Dilma em Porto Alegre

O presidente Jair Bolsonaro é um sujeito sem obras, porém com uma marca indelével: ele é a expressão da morte, da necropolítica, cuja ponto alto foi o ato que zerou a taxa de importação de revólveres e pistolas do exterior enquanto os brasileiros pediam [e ainda pedem] a compra de vacinas para combater a covid-19.

Bolsonaro esteve nesta quinta-feira (10) em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, onde, além de dizer impropriedades, inaugurou a segunda ponte sobre o rio Guaíba. A obra foi iniciada pelo governo Dilma Rousseff (PT).

A obra de R$ 820 milhões já está 95% concluída. Ela facilitará o escoamento de cargas para o Porto de Rio Grande.

A ponte conecta a região metropolitana de Porto Alegre à metade Sul do estado e possui extensão total da obra é de 12,3 km.

Jair Bolsonaro não tem obra para mostrar porque ele defende o desinvestimento público.

Ocorre que na depressão econômica, como a atual, nem o setor privado tem dinheiro para investir em infraestrutura. Em perspectiva, portanto, o Brasil terá sua logística quebrada por falta de novos investimentos –o que poderá retardar o desenvolvimento no pós-Bolsonaro.

O presidente repetiu hoje em Porto Alegre o que já fez no Nordeste brasileiro, nos últimos três meses: inaugurou obras iniciadas pelos governos do PT, a exemplo de trechos da transposição do rio São Francisco.

Bolsonaro não tem obras próprias. Ele só tem mortes para mostrar.

O Brasil tem 178 mil mortes e 6,7 milhões de casos de covid-19.

Movimentos pedem a liberdade de Assange no Dia Internacional dos Direitos Humanos

O sonho da Presidência da Câmara

Partido “NOVO” votou contra ratificação da Convenção Interamericana sobre Racismo