Prefeita de Paris é multada por ser “feminista demais”; ela contratou mulheres demais na Prefeitura

Compartilhe agora

“Feminista demais” – a resposta zombeteira da prefeita de Paris, a socialista Anne Hidalgo, após ser informada de que ela havia infringido a lei ao nomear muitas mulheres para cargos importantes.

Onze mulheres e cinco homens foram promovidos em 2018, violando uma regra nacional de 2013 criada para trazer paridade de gênero no emprego.

As autoridades de Paris estão sendo multadas em € 90.000 (noventa mil euros ou R$ 562 mil) pelo ministério do serviço público.

“Estou feliz em anunciar que fomos multados”, disse Hidalgo.

A regra de 2013 significava que não mais que 60% das novas nomeações para cargos de gestão no serviço público deveriam ir para o mesmo sexo. A campanha de recrutamento da Sra. Hidalgo viu 69% dos empregos irem para mulheres.

Em uma reunião do conselho, a prefeita socialista brincou: “A gestão da prefeitura tornou-se, de repente, feminista demais”.

Mas ela também destacou um atraso contínuo na promoção de mulheres a cargos de liderança na França e a necessidade de acelerar o progresso em direção à paridade, nomeando mais mulheres do que homens.

“Essa multa é obviamente absurda, injusta, irresponsável e perigosa”, disse ela.

A Ministra do Serviço Público da França, Amélie de Montchalin, respondeu no Twitter, apontando que a lei foi alterada desde 2018.

Em 2019, as multas foram suspensas por nomear muitas mulheres ou muitos homens para novos empregos, desde que o equilíbrio geral de gênero não fosse afetado.

Ela convidou Hidalgo para discutir como promover as mulheres no serviço público e disse que a multa iria para “ações concretas”.

As informações são da BBC News

Anne Hidalgo, socialista, é reeleita prefeita de Paris com cerca de 50% dos votos

Em nota, PT parabeniza Anne Hidalgo pela reeleição à prefeitura de Paris

Lula em Paris: “Meu dever é falar em nome dos que sofrem em meu país”; leia o discurso

OAB adota cota racial de 30% com aplicação a partir de 2021