PDT descarta apoio a candidatos de Bolsonaro às presidências da Câmara e do Senado

Compartilhe agora

A Executiva Nacional do PDT ampliada – bancadas na Câmara e Senado, presidentes regionais e presidentes dos movimentos – se reuniu virtualmente nesta terça (15) para avaliar o resultado das últimas eleições municipais e discutir as eleições das mesas diretoras da Câmara dos Deputados e do Senado.

O presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, fez um balanço do resultado das eleições municipais de 2020 no encontro e ressaltou que o PDT, entre os partidos progressistas, foi o que mais se destacou.

“Saímos das urnas mais fortes do que entramos. Elegemos 314 prefeitos e mais de 3 mil vereadores. A partir de janeiro mais de 10 milhões de brasileiros serão administrados por prefeituras do PDT. No campo progressistas, nos destacamos de forma consistente e iniciamos, em muitos estados, um desenho vitorioso para que possamos fortalecer ainda mais o nome de Ciro na disputa de 2022”, disse Lupi.

LEIA TAMBÉM
Doria e Bolsonaro são a expressão máxima da vigarice neoliberal

Fundeb: Senado derrubou a ‘privatização’ do ensino aprovado pela Câmara

Presidente Jair Bolsonaro soube de aprovação recorde 10 dias antes de sair a pesquisa Datafolha

A reunião serviu também para que fosse discutida a posição do partido em relação as eleições das mesas diretoras da Câmara e do Senado em 1° de fevereiro. Por unanimidade, foi decidido que o PDT não apoiará nenhum nome nas duas casas que tenha qualquer tipo de ligação com o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Decidimos que, nesta quarta (16), formaremos um bloco que reunirá as principais forças progressistas anti-Bolsonaro e que, até sexta (18), fecharemos um nome para a disputa das presidências da Câmara e do Senado. Ponto pacífico é que não será um nome que tenha o apoio do Planalto”, afirmou o dirigente pedetista.

Com informações do PDT