Papai Noel foi generoso com Covas e malvado com os idosos de São Paulo

É Natal. O bom velhinho só foi generoso com o prefeito Bruno Covas (PSDB), reeleito há um mês, que ganhou de Papai Noel aumento de 46% no salário. De R$ 24.175,55 seu vencimento saltará para R$ 35.462,00 enquanto os trabalhadores brasileiros sequer terão reposição da inflação no salário mínimo de R$ 1.088.

Se Papai Noel foi generoso e afável com o prefeito tucano, por um lado, do outro foi malvado com os idosos da capital paulista. Eles tiveram o fim da gratuidade nos transportes públicos. A nova regra fulmina quem tem entre 60 e 65 anos. A malvadeza passa a valer a partir de 1º de janeiro de 2021.

A determinação pelo fim da gratuidade partiu do governador João Doria (PSDB), que foi para Miami em plena pandemia, e de Covas, que foi presenteado com aumento no salário.

O fim da gratuidade é um acinte e uma desumanidade sem precedentes, haja vista que os idosos foram os principais eleitores dos tucanos na eleição municipal deste ano, que reelegeu Covas, candidato de Doria.

Quanto ao aumento de 46% no salário de Covas, meu Deus, soa provocação em um ambiente econômico ruim para o país em que o salário mínimo sequer terá a reposição integral da inflação.

Prefeito e governador do PSDB apoiam as políticas do governo federal de precarização da mão de obra e redução salarial, fim da aposentaria, porém eles se fartam de generosos aumentos.

Esse Papai Noel…