O Senado é uma Casa ‘liberal’ nos costumes e ‘canalha’ nos temas econômicos

Compartilhe agora

O Senado Federal é uma Casa que se equilibra entre o ‘liberalismo’, no que diz respeito aos costumes, e a ‘canalhice’, quanto à subserviência aos interesses de grupos econômicos contrários à soberania nacional.

O Senado mistura um pouco da dialética hegeliana com a moral macunaímica, descrita na obra de Mário de Andrade, de onde brota o verdadeiro congressista brasileiro, que alterna entre momentos de aguda perspicácia e estupidez, entre mansidão e brutalidade, entre grandeza e canalhice.

O Senado aprovou nesta terça-feira (15) projeto de lei que facilita a compra, a posse e o arrendamento de propriedades rurais no Brasil por pessoas físicas ou empresas estrangeiras. O texto autoriza a compra de até 25% dos território dos municípios, o que poria em risco a segurança alimentar e a produção de alimentos, além de causar o aumento no preço de terras no Brasil. Ou seja, atenta contra a soberania territorial brasileira.

Por outro lado, o mesmo Senado barrou a “privatização” de recursos do Fundeb para escolas particulares, de ensino religioso e instituições ligadas ao Sistema S. A regulamentação proposta aprovada na Câmara iria sugar da educação pública R$ 15,9 bilhões. Nessa votação, os senadores grandeza perante o País.

Mas o Senado “canalha” se sobressaí na maior parte do tempo. No mês passado, por exemplo, a Casa aprovou projeto autorizando Banco Central remunerar sobras de caixa dos bancos. Um presente de Natal antecipado para banqueiros, rentistas e especuladores em detrimento do Tesouro Nacional. Também aprovou o BC autônomo, como se a instituição fosse uma ilha independente do governo federal.

O Senado ‘canalha’ tem uma ficha corrida de desserviço à Nação. Votou e aprovou a privatização das companhias de água. Pior: estabeleceu a venda dos ativos como condicionante para autorizar empréstimos a estados e municípios; uma chantagem.

Mas o Senado é ‘liberal’ nos costumes. Tem se posicionado contra o racismo, a homofobia, a xenofobia, a misoginia; defende os LGTBs, as bandeiras identitárias, etc.

Porém, o Senado é ‘canalha’ nas pautas econômicas que interessam ao Brasil completo. Fulminou direitos previdenciários e trabalhistas. Transformou os trabalhadores em semiescravos com a precarização da mão de obra.

Pensando bem, o Senado deveria ser chamado de “Casa de Macunaíma”.

Cesar Benjamin: Para entender a independência do Banco Central

Ciro Gomes é cobrado pela privatização da água, responde, mas não convence