O fim do auxílio emergencial está chegando… Daqui 2 semanas acaba a ajuda de R$ 300

Daqui duas semanas o governo acaba de pagar as parcelas do auxílio emergencial de R$ 300 (ou R$ 600, no caso de mulheres chefes de família).

Entre os dias 21 e 29 de dezembro, o governo promete pagar a última parcela da ajuda para 1,2 milhão de pessoas.

Esse é o grupo de trabalhadores que recebeu a primeira parcela do auxílio de R$ 600 apenas em julho.

Em setembro, quando o governo anunciou a prorrogação do benefício, com a metade do valor, informou que nem todos receberiam as quatro parcelas de R$ 300. Na verdade, só têm direito às quatro parcelas aqueles que começaram a receber o auxílio emergencial em abril.

O governo ainda não decidiu se prorroga ou não o auxílio emergencial. Até agora as informações são contraditórias. Ora sinaliza que sim, irá manter o pagamento até o fim da pandemia, ora afirma que não pagará mais o benefício aos mais vulneráveis.

Bolsa Família

Na segunda-feira (14), a Caixa realiza o pagamento da última parcela do auxílio emergencial extensão para os beneficiários do Bolsa Família. Cerca de 1,6 milhão de pessoas com Número de Identificação Social (NIS) final 3 receberão R$ 422,2 milhões.

O pagamento do auxílio emergencial extensão aos inscritos no Bolsa Família começou na última quinta-feira (10) e vai até o dia 23, conforme o dígito final do NIS. Durante todo o mês de dezembro, mais de 16 milhões de pessoas cadastradas no programa e consideradas elegíveis e vão receber, no total, R$ 4,2 bilhões.

Para quem recebe o Bolsa Família nada muda em relação ao calendário normal de pagamentos. O recebimento do Auxílio Emergencial Extensão atende aos mesmos critérios e datas do benefício regular, permitindo a utilização do cartão nos canais de autoatendimento, unidades lotéricas e correspondentes Caixa Aqui, ou por crédito na conta Caixa Fácil.

Para o pagamento do auxílio emergencial extensão, os beneficiários do Bolsa Família tiveram avaliação de elegibilidade realizada pelo Ministério da Cidadania – conforme Medida Provisória nº 1.000, de 2 de setembro de 2020 – e recebem o valor do programa complementado pela extensão do auxílio emergencial em até R$ 300 ou em até R$ 600, no caso de mães solteiras. Se o valor do Bolsa Família for igual ou maior que R$ 300 ou R$ 600, o beneficiário receberá o valor do Bolsa Família, sempre privilegiando o benefício de maior valor.

Auxílio emergencial termina este mês e pode deixar 67 milhões sem renda

Bolsonaro vai tirar R$ 300 do auxílio emergencial, depois de tirar emprego de milhões de pessoas