Governo Bolsonaro: ‘Vamos acabar com o auxílio emergencial no fim deste ano’

O governo Bolsonaro bateu o martelo. O auxílio emergencial às pessoas mais vulneráveis, sem renda, acabará ainda neste fim de ano. É o que disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira (9), numa videoconferência voltada a investidores estrangeiros, no evento “Asia Summit”, promovida pelo Milken Institute.

Coração de pedra com os mais humildes e coração generoso com os banqueiros, Guedes prometeu que o fim do auxílio emergencial está muito próximo.

“Acho que isso vai acontecer antes do fim do ano. Dois dias atrás, demos outro sinal, de que vamos acabar com o auxílio emergencial no fim desse ano. Estamos dando sinais que estamos removendo gastos extraordinários com a pandemia e, ao mesmo tempo, reduzindo subsídios”, afirmou o ministro.

Guedes retomou hoje o mantra do teto de gastos sociais e garantiu que o governo pode anunciar, ainda neste ano, uma redução de subsídios em vários setores. Porém, o ministro não informou quem seriam os alvos da tesoura.

“Vão respeitar o teto de gastos, ou vão manter esses gastos transitórios adicionais, e superar o teto? E a resposta é: de jeito nenhum [o teto será desrespeitado]. Vamos voltar às reformas”, prometeu o ministro da Economia.

As reformas de que falou Paulo Guedes são as privatizações de ativos –patrimônio público– que, criminosamente, o governo quer transferir para mãos de privadas. O ministro ora diz que as estatais valem R$ 1 trilhão, ora diz que valem R$ 2 trilhões, uma margem de erro importante para a venda de bens que pertencem a todos nós.

“Fora Guedes”, pedem Valor, Globo, Estadão e especuladores financeiros

Auxílio emergencial acaba no final do ano, diz Guedes

Alucinado, Paulo Guedes mente ao dizer que Brasil está oficialmente “saindo da recessão”

Guedes descarta pagamento do auxílio emergencial em 2021