Governo Bolsonaro se recusa parabenizar Biden após 1 mês da eleição

O governo Bolsonaro continua acreditando numa “virada espetacular” do presidente Donald Trump, que, há um mês, perdeu a eleição para o democrata Joe Biden.

Não há no horizonte cheiro de virada no ar. Muito pelo contrário. Juízes estaduais dos EUA têm negado recursos de Trump e membros de seu próprio governo têm dito que não houve fraudes nas eleições americanas.

O procurador-geral e Secretário de Justiça dos Estados Unidos, William Barr, por exemplo, afirmou nesta terça-feira (1º) que não há qualquer indício de fraude capaz de mudar o resultado das eleições de novembro, vencidas pelo democrata Joe Biden.

Países ao redor do mundo reconheceram a vitória de Biden e o felicitaram como presidente eleito. China, Israel, Reino Unido, Venezuela, Cuba, Argentina, França, Alemanha…

O governo Bolsonaro é um dos quatro a não parabenizar Biden pela vitória sobre Trump.

Negar a vitória de Biden, ao não parabenizá-lo, é mais um negacionismo de Bolsonaro.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, coloca o Brasil ao lado Coreia do Norte, México e Rússia nesse quesito antidiplomático.

Aliás, em dois anos de governo, a chancelaria brasileira só se isolou no plano internacional. Um horror.

Sem Trump, Bolsonaro se curva ao argentino Fernández

Biden começa ocupar a Casa Branca e Trump limpa as gavetas

Em baixa, Trump se apoia na teoria da conspiração do bolsonarista Allan do Santos