[Retrospectiva 2020] Ema “comunista” bicou o “biroliro” de Bolsonaro; a ave passou bem

Compartilhe agora

Tem uma música –“A ema gemeu”, de Jackson do Pandeiro– que traduz a bicada que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) levou no “biroliro” ao tentar alimentar uma ema, no dia 13 de julho de 2020, no Palácio da Alvorada.

A ave “comunista” bicou o presidente, que tentava alimentar o animal.

A ema passou bem após bicar o presidente da República.

Jair Bolsonaro estava isolado na residência oficial, em Brasília, desde que anunciou estava infectado pelo novo coronavírus.

Maldoso, o presidente apelidou a ema de “Gleisi Hoffmann“.

Por que será?

Retrospectiva 2020 – Texto originalmente publicado em: 13 de jul de 2020 às 21:40

Sobre a música citada no início deste post, há uma estrofe interessante:

“Você bem sabe que a ema quando canta
Vem trazendo no seu canto um bocado de azar
Eu tenho medo, pois acho que é muito cedo
Muito cedo, meu benzinho pra esse amor se acabar”

Abaixo, o baião “A ema gemeu” interpretada por Alceu Valença:

LEIA TAMBÉM

Fora Bolsonaro: Entidades farão entrega de pedido de impeachment nesta terça

Um numeroso grupo de entidades da sociedade civil fará a entrega, nesta terça-feira (14), de um documento que pede o impeachment do presidente Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional. O ato será na Câmara dos Deputados, em Brasília, às 10h.

O ato simbólico, respeitando todos os protocolos de distanciamento social será realizado em frente ao Congresso Nacional, informa a Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Representantes de centrais sindicais, movimentos sociais, entidades estudantis e populares participarão da entrega do documento que demanda do presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o início do processo de impeachment do atual presidente por diversos crimes de responsabilidades praticados nesses 18 meses de governo.

A Campanha Fora Bolsonaro, que teve início na última sexta-feira (10), com atos e panelaços em todo o país será reforçada nesta fase. O presidente da CUT ressalta que a campanha ganhará corpo nas bases sindicais da CUT.

“É uma campanha que visa conquistar a maioria do povo brasileiro e a pressão popular pela saída do Bolsonaro. O presidente da Câmara, o Rodrigo Maia, já disse inclusive publicamente que todos os pedidos de impeachment que ele receber, ele vai sentar em cima porque impeachment só acontece se for pelo clamor popular”, diz Sérgio que conclui: “Esse é o nosso papel, Nós vamos mobilizar o povo, fazer disso nossa principal bandeira e ter o clamor popular pela saída de Bolsonaro”.

*Com informações da CUT