Dividida, direita confirma desistência de Moro e tenta agora Doria ou Huck para 2022

O presidente Jair Bolsonaro não terá refresco se se confirmar a divisão no campo da direita. O espectro lavajatista busca agora alternativa entre Doria e Huck, depois que ficou órfão com a desistência do ex-ministro Sergio Moro, que vai morar nos EUA.

O site de direita O Antagonista expressa bem essa angústia. Primeiro anunciou Moro com um candidato que tinha nascido, porém, com o tempo, provou-se um projeto eleitoral natimorto. Nesta semana, a página estimula o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ou o apresentador Luciano Huck (Globo) para a eleição presidencial de 2022.

“Luciano Huck e João Doria frequentam os mesmos salões, cultivam amigos em comum e adotam estilos semelhantes na maneira de se portar e vestir”, diz a publicação direitista. “O linguajar político de ambos muitas vezes se confunde”, destaca.

Mas o Anta também mostra as vulnerabilidades de ambos: “Algumas ações são realmente idênticas, como a compra de jatinhos com financiamento do BNDES.”

A luta da direita é pela encarnação anti-Bolsonaro em 2022 e isso, de acordo com o Antagonista, deixou o tucano fulo da vida com os recentes movimentos do apresentador da Globo.

Por outro lado, a esquerda contou as garrafas e chegou à conclusão que perde a eleição se chegar dividida na disputa contra Jair Bolsonaro. O presidente parece consolidado um terço do eleitorado, segundo sondagem divulgada pela Paraná Pesquisas.

Maia é “cara de pau” por tentar 3º mandato consecutivo, diz presidente de associação de municípios

Luciano Huck não é bem-vindo na frente de esquerda, diz Requião

Petistas estudam levar bolo ao STF pelos dois anos sem julgamento do HC de Lula sobre Moro