Covid matou 13 mil e infectou 700 mil nas últimas 24h, diz OMS

O Brasil teve 43,9 mil novos casos e 686 mortes neste sábado (12)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou 692 mil casos e mais de 13 mil mortes no mundo por covid-19 nas últimas 24 horas, os piores números diários em quase um ano de pandemia, chegando a 69,5 infecções e 1,58 milhão de vítimas.

A ligeira queda dos casos diários globais verificada há duas semanas, principalmente devido a uma diminuição das infecções na Europa, não se consolidou e os números globais voltaram a subir, indicando que a atual onda está longe de terminar.

O continente americano, com 29,7 milhões de casos, registrou um número recorde de 328 mil novos positivos no último dia, enquanto a Europa, com 21,4 milhões de infecções, comunicou à OMS, 273 mil casos, longe dos números de um mês atrás, mas mostrando um aumento nas infecções em relação à semana passada.

A terceira região mais afetada, o sul da Ásia, com 11,3 milhões de casos, no entanto, mostra uma diminuição nas infecções diárias.

Os Estados Unidos, país onde o uso das vacinas contra covid-19, Pfizer e BioNTech foi aprovado, somam 15,4 milhões de casos e seu gráfico também continua crescendo. Contudo, os casos estão diminuindo na Índia, o segundo país mais afetado com 9,8 milhões de casos desde o início da pandemia, enquanto continuam aumentando no Brasil (6,7 milhões) e na Rússia (2,5 milhões).

A França e o Reino Unido mostram estabilização nos casos diários após semanas de declínios, enquanto a curva descendente permanece nos seguintes países mais afetados, Itália e Espanha, ambos com mais de 1,7 milhão de positivos.

O número de pessoas recuperadas no planeta é próximo aos 50 milhões e dos 20 milhões de pacientes ativos, 0,5% (106 mil) estão em estado grave.

No Brasil, chegou-se à triste marca de 6,88 milhões de casos e 181,1 mil óbitos decorrentes do novo coronavírus. Só neste sábado (12), foram 43,9 mil novos infectados e 686 mortes. Os números são do Ministério da Saúde.

Datafolha diz que mais pessoas não querem se vacinar contra Covid-19

Se tivesse colhões, Rodrigo Maia aceitaria um dos 50 pedidos de impeachment de Bolsonaro

Véio da Havan surta com fechamento de Loja da Havan em Pelotas (RS)