Busto de Suplicy de Lacerda, de ícone da ditadura, deve ser removido da UFPR

A Universidade Federal do Paraná (UFPR), a mais antiga do País, fundada em 1912, tem a responsabilidade histórica de remover o busto de Flávio Suplicy de Lacerda, ex-reitor da instituição e ex-ministro da Educação (MEC) na ditadura Militar.

Em pleno regime fardado, em 1968, o então presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFPR, Vitório Sorotiuk, comandou a derrubada do busto de Suplicy de Lacerda –o que recrudesceu a perseguição e prisão de jovens que lutavam pela democracia e o fim das torturas e crimes dos militares.

A polêmica com o busto foi reavivada em 2014, nos 50 anos do golpe militar, quando a sucata foi reinstalada na Reitoria da UFPR.

Em 2019, o Ministério da Justiça da Espanha ordenou que 656 cidades retirasse do espaço público símbolos herdados da ditadura franquista –um dos períodos mais sanguinários da história da Península Ibérica.

Em temos contemporâneos, coletivos de estudantes da UFPR — seguindo o exemplo exemplo do movimento mundial “Vidas Negras Importam“– exigem que esse monumento à ditadura militar seja retirado. Ou seja, eles querem a retirada do busto do ex-reitor e ministro da Educação da ditadura.

Assim que for instalada a nova legislatura na Câmara Municipal de Curitiba, em janeiro de 2021, vereadores novatos estão empolgados com a apresentação de leis proibindo homenagens à ditadura militar e os racistas na capital paranaense.

Em abril de 1968, Vitório Sorotiuk fez o seu discurso de agitação nos seguintes termos:

“Colegas estudantes a presença da estátua de Suplicy no pátio da Reitoria é uma afronta aos Estudantes. Ele é o autor da Lei 4464 que colocou a UNE na ilegalidade. É ele o responsável pelo projeto de implantação do ensino pago na Universidade Federal do Paraná.

Colegas. Estudantes combativos! Nós, estudantes, mamíferos. Isso mesmo, nós somos mamíferos. E por isso jamais fomos contra bustos. Mas ali, em lugar do busto de Suplicy, deveria estar o busto da Jayne Mansfield. Esse busto tem que cair.”

Sobre Suplicy de Lacerda
Engenheiro de formação, Flávio Suplicy de Lacerda foi reitor da UFPR (1949 – 1964), quando assumiu o Ministério da Educação (MEC) a convite do Marechal Humberto Castello Branco, exercendo o cargo até 1966, sendo responsável pela Lei 4.464/64 que proibiu as atividades políticas (além de outras restrições) aos órgãos de representação estudantil. Após o MEC, ele retomou a reitoria da UFPR (1967 – 1971).

Na sua gestão como ministro de Educação foram formalizados diversos acordos de cooperação com a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), responsável pela tentativa de construção de uma formação técnica e profissionalizante no Brasil.

Na Reforma Universitária de 1968 (Lei 5.540/68), Suplicy de Lacerda implementou, entre outras medidas:

  • o fim do sistema de cátedras e do regime de créditos;
  • a departamentalização da estrutura universitária e a criação dos vestibulares classificatórios;
  • além da tentativa de cobrar anuidades dos estudantes.

Em resposta à política de cobrança de taxas na UFPR os estudantes protestaram e realizaram a greve geral de 14.05.1968, quando os três prédios do conjunto da Reitoria foram tomados pelos alunos. Durante os protestos o seu busto foi arrancado e desfigurado, tendo seu nariz cerrado e a estátua arrastada pela rua XV de Novembro. O impasse resultou num acordo entre os estudantes que ocupavam a Reitoria da UFPR e as autoridades universitárias mediadas pelo governo estadual, a Polícia Militar e o Exército, resultando na retirada das forças policiais de todas as unidades da Universidade e a suspensão do concurso de vestibular nos termos em que estava sendo feito.

A estátua com o busto do reitor Flávio Suplicy de Lacerda muito frequentemente tem atraído atos de “descomemoração” (uma das formas possíveis de reapropriação, ressignificação e reinterpretação do patrimônio histórico por diferentes gerações) por meio de pichações e escritos de rejeição à persona representada. A exemplo dos fatos que culminaram, nas “descomemorações” dos 50 anos do golpe militar em 01.04.2014, com a retirada do busto por estudantes e organizações sociais, arrastando-o novamente pelas ruas da capital do Paraná.

Hoje, Vitório Soriotiuk é um renomado advogado de causas ambientalistas em Curitiba e Suplicy de Lacerda apenas mais um fantasma da ditadura militar, que precisa ser removido já da UFPR.