Bolsonaro zera alíquota da importação de armas de fogo enquanto os brasileiros pedem vacina contra a covid-19

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro zerou a importação de armas de fogo compradas por brasileiros no exterior. Ele publicou no Twitter que a medida vale a partir de 1º de janeiro de 2021.

A Camex (Secretaria-Executiva da Câmara de Comércio Exterior) foi a responsável pela edição da resolução zerando a Alíquota do Imposto de Importação de Armas (revólveres e pistolas).

A medida foi publicada no “Diário Oficial da União” (DOU) desta quarta-feira (9).

Ao zerar a alíquota da importação de armas de fogo, Bolosonaro reafirma sua necropolítica –a política da morte– como norte do governo em detrimento do salvamento de vida.

Atualmente, a alíquota de importação de revólveres e pistolas é de 20%.

O Brasil chega perto de 180 mil mortes por Covid-19 e 6,6 milhões de casos confirmados desde o início da pandemia em março de 2020.

Jair Bolsonaro prefere facilitar a importação de revólveres e pistolas a comprar vacinas de laboratórios estrangeiros, como pedem os brasileiros.

“Não tem vacina, não tem seringa, indo para 200 mil mortos e o Governo federal zera alíquota de importação de revólveres e pistolas. Um governo que sabe quais são suas prioridades”, criticou o advogado curitibano Luiz Carlos Rocha, o Rochinha.

Na campanha de 2018, Jair Bolsonaro prometeu armar a população com artefatos de repetição fatais. Em agosto passado, a Polícia Federal formalizou a aquisição de até quatro armas de fogo.

Mas a pergunta que fica é: cadê a vacina?

OAB quer que verba da Lava Jato seja usada para comprar vacina contra Covid-19

Google mostra que Bolsonaro ficou irrelevante em 2020

Líder do PT defende auxílio emergencial de R$ 600 e denuncia ‘insensibilidade social’ do governo Bolsonaro