Ao atacar Dilma, Bolsonaro insiste na tática que derrotou Trump nos EUA

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro continua no rumo tortuoso de colecionar inimigos com sua diarreia verbal. Na penúltima delas, o mandatário pediu para “ver raio X” que comprovasse tortura sofrida pela ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) durante a ditadura. Em resposta, Dilma Rousseff declarou que ele tem “índole de ditador” e o chamou de “sociopata” e “cúmplice da tortura e da morte”.

A tática de Bolsonaro é a mesma que derrotou Donald Trump, que não se reelegeu. Portanto, a história das eleições nos EUA pode se repetir no Brasil em 2022.

O cerco se fecha para o presidente Bolsonaro à medida que ele se isola da realidade e adota o negacionismo como método de governo. Primeiro ele negou o potencial mortífero da Covid, depois a necessidade do uso de máscara, da eficácia das vacinas, agora ele nega que pessoas foram torturadas e assassinadas pela ditadura militar.

Veja o disseram as personalidades sobre o ataque contra Dilma:

Lula
“O Brasil perde um pouco de sua humanidade a cada vez que Jair Bolsonaro abre a boca. Minha solidariedade a presidenta Dilma, mulher detentora de uma coragem que Bolsonaro, um homem sem valor, jamais conhecerá.”

Flávio Dino
“Dos vários absurdos perpetrados por Bolsonaro hoje, o mais abjeto foi ironizar e rir de uma ex-presidente da República que foi presa e torturada pela ditadura militar. Minha solidariedade à Dilma. Enquanto isso, o Brasil segue sem vacinação e sem rumo.”

FHC
“Minha solidariedade a ex Pr Dilma Rousseff. Brincar com a tortura dela — ou de qualquer pessoa — é inaceitável. Concorde-se ou não com as atitudes políticas das vítimas. Passa dos limites.”

Gleisi Hoffmann
“Bolsonaro não é só um negacionista, é um mentiroso e um farsante. Negar q a presidenta Dilma foi torturada é fraudar a história e desrespeitar a dor de milhares de brasileiros e suas famílias. Típico de uma personalidade monstruosa, sem limites para cometer o mal.”

Ciro Gomes