Reprovação de Bolsonaro disparou em 23 capitais, diz pesquisa Ibope

Compartilhe agora

Não foi nenhum altruísmo que afastou do presidente Jair Bolsonaro das eleições no segundo turno. Pelo contrário. Os aliados é que pediram “por favor” para ele ficasse longe da disputa nas 57 cidades que terão a disputa neste domingo (29).

Avaliação negativa de Bolsonaro aumentou em 23 das 26 capitais brasileiras, segundo o Ibope. O destaque é para Salvador (BA) onde o presidente só tem 15% de aprovação. O percentual de ruim e péssimo dele é de 66%.

Nesse quesito da avaliação negativa, o instituto de pesquisa tem razão: os aliados têm que esconder Bolsonaro no segundo turno; o presidente ganhou a fama de “Mick Jagger” porque todos os candidatos dele perderam a eleição no primeiro turno –uma tragédia da Patagônia aos Estados Unidos.

O agravamento da crise econômica, as altas taxas de desemprego e a disparada da inflação, consequências, entre outras coisas, da política econômica desastrada do governo, mas, especialmente, da redução do auxílio emergencial durante a pandemia do novo coronavírus de R$ 600 para R$ 300, derrubaram a avaliação positiva do governo do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) em 23 das 26 capitais brasileiras, entre os meses de outubro e novembro, durante as Eleições Municipais de 2020.

Ruim ou péssimo

Em 12 capitais, o número de entrevistados que avaliam a gestão de Bolsonaro como “ruim e péssima” subiu acima da margem de erro, que varia de três a quatro pontos percentuais, para cima ou para baixo, dependendo do município.

Os campeões em avaliação negativa de Bolsonaro são os soteropolitanos. Em Salvador (Bahia) o percentual de ruim e péssimo do presidente é de 66%.

São Luís (MA), onde a rejeição subiu de 46% para 57%, e Curitiba (PR), com aumento de dez pontos percentuais, de 34% para 44%, foram as capitais onde a avaliação negativa do governo Bolsonaro mais subiu entre outubro e novembro.

O levantamento, feito pelo jornal O Globo, comparou a primeira pesquisa do Ibope no período eleitoral com a mais recente em cada uma das cidades. O instituto tem medido a aprovação e a rejeição à gestão de Bolsonaro quando faz os levantamentos de intenção de voto para as prefeituras, diz o jornal.

De acordo com a comparação, nas 23 cidades onde Bolsonaro teve a aprovação reduzida, em 14 a queda foi além da margem de erro. Não houve aumento do índice de aprovação de Bolsonaro em nenhuma capital do país se considerada a margem de erro.

Em sete capitais, Bolsonaro tem mais de 50% de avaliação negativa: além de São Luís, onde 57% da população reprovam seu governo, estão Porto Alegre, (56%), São Paulo (54%), Recife, (52%), Aracajú (51%) e Florianópolis (50%).

Em oito capitais, os percentuais de ruim e péssimo estão bem acima dos 40%: Teresina, (48%), Vitória (47%), Fortaleza, (46%), Belo Horizonte (45%) Curitiba (44%), Belém (44%), Rio de Janeiro (43%) e João Pessoa (43%).

Em outras dez capitais, Bolsonaro é reprovado com índices superiores a 30%: Maceió (39%), Natal (39%), Campo Grande (36%), Goiânia (35%), Rio Branco (35%), Manaus (32%), Cuiabá (32%), Palmas (32%), Porto Velho (31%) e Macapá (30%).

De acordo com O Globo, a maior redução de avaliação “boa e ótima” do governo Bolsonaro ocorreu em João Pessoa (PB) onde o índice foi de 43% para 30%, entre outubro e novembro. Em seguida no ranking estão as capitais da região Norte, como Manaus (AM) — de 54% para 42% —, onde o candidato apoiado pelo presidente à Prefeitura, Coronel Menezes (Patriota), ficou apenas em quinto lugar.

Segundo o jornal O Globo, o menor índice de reprovação foi constatado em Boa Vista (18%). Já em Rio Branco (AC) a aprovação continua alta, apesar da queda, de 48% para 39%.

Já em 12 capitais não houve variação no índice de aprovação, considerando a margem de erro. No Rio e em Macapá, a avaliação “ótima e boa” continuou a mesma, de 34% e 42%, respectivamente. Em Aracaju (SE), o percentual passou de 25% para 28%, mas ficou dentro da margem de erro. No caso da capital sergipana, a comparação foi feita entre uma pesquisa divulgada em 11 de novembro e outra do último dia 20. O Ibope não questionou a avaliação do governo Bolsonaro nos levantamentos feitos ao longo de outubro.

Eurodeputados protestam contra tentativa de Bolsonaro controlar ONGs da Amazônia

Maia e Alcolumbre podem ter reeleição barrada pelo Supremo dia 4 de dezembro

Jair Bolsonaro silencia sobre a morte de Diego Maradona