Reino Unido estuda liberação de drones para áreas rurais e transporte de pessoas

Compartilhe agora

O governo do Reino Unido está considerando permitir que drones entreguem mercadorias em áreas rurais como parte de um plano para garantir que partes remotas do país não sejam deixadas para trás pelos avanços na tecnologia de transporte, diz o jornal Financial Times.

De acordo com a publicação, os ministros estão pedindo feedback sobre uma série de ideias, incluindo o uso de drones para reduzir os prazos de entrega “em cidades rurais ou isoladas” e reduzir as emissões de carbono.

Outros planos incluem o uso de aeronaves elétricas para transportar passageiros por curtas distâncias, introduzindo bicicletas elétricas de carga nos sistemas de transporte rural, conectando diferentes serviços de transporte em um único aplicativo e disponibilizando online mapas para caminhadas e ciclismo.

Grandes drones foram usados ​​para transportar suprimentos médicos para a Ilha de Wight no início deste ano durante os primeiros meses da pandemia do coronavírus, enquanto o governo quer explorar o potencial de empresas de entrega para usá-los em outras partes do país.

Os planos estão em um estágio muito inicial e qualquer implementação terá que ser objeto de negociação com reguladores, como a Autoridade de Aviação Civil e, em algumas áreas, os militares.

Rachel Maclean, ministra dos transportes, revelará os planos na cúpula Future of Mobility do Financial Times na terça-feira, dizendo que “nos dará uma oportunidade única de aproveitar o espírito comunitário das áreas rurais para entender como a inovação no transporte pode beneficiar as pessoas e as comunidades que mais precisam”.

“Agora, mais do que nunca, é importante que usemos o poder do transporte para construir de volta mais verde e transformar a forma como as pessoas e as mercadorias se movem no Reino Unido.”

A conferência virtual, também apresentando a Comissária de Transporte Europeia Adina Valean, bem como os executivos-chefes do aeroporto de Heathrow, da ferrovia HS2 e da Comissão de Infraestrutura Nacional, reúne executivos de toda a indústria em um momento em que a pandemia levou a mudanças dramáticas nas viagens padrões, com companhias aéreas e ferroviárias observando quedas acentuadas no número de passageiros.

Outras ideias que surgiram no “pedido de evidências” do governo do Reino Unido incluem o uso de mapas digitais para facilitar o acesso a rotas de caminhada e ciclismo fora das cidades, em um esforço para impulsionar os exercícios.

Também pedirá às empresas e aos consumidores que avisem se os chamados serviços de micro-mobilidade, como bicicletas de carga ou scooters elétricas, seriam capazes de operar fora dos densos centros das cidades.

Embora as scooters elétricas sejam atualmente proibidas no Reino Unido, existem vários testes de esquemas de aluguel de scooters na Inglaterra, incluindo em Milton Keynes e Essex.

Esses esquemas, que são populares nos Estados Unidos há vários anos, tendem a funcionar em grandes áreas urbanas onde os operadores podem lucrar com várias viagens por dia.

Mas o governo quer saber se o modelo pode funcionar também em áreas rurais, para reduzir emissões e viagens desnecessárias de carro.

Felix Petersen, da empresa de scooters Spin, da Ford, disse na cúpula da FT na terça-feira que cerca de dois terços de suas viagens de scooter substituem viagens de carro, com cerca de um terço de seus usuários viajando de e para estações de trem ou ônibus.

A empresa vai anunciar na terça-feira que está criando um fundo de R$ 725.000 para financiar estudos sobre como as pessoas usam os diferentes tipos de transporte.

A empresa financiará pesquisas de 10 universidades para ajudá-la a entender os padrões de uso e aumentar a segurança de seus passageiros.

A empresa americana lançou serviços de scooters na Alemanha e alguns serviços de teste no Reino Unido no início deste ano.

Auxílio emergencial acaba no final do ano, diz Guedes

A emoção de uma mulher que encontrou Bolsonaro e mandou ele se fu***; ouça

Ibope 2° turno em Vitória: Pazolini tem 48% e Coser 43%