O mundo protesta contra o negacionismo de Bolsonaro

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro disse na reunião da cúpula do G-20, realizada por videoconferência neste sábado, que tensões raciais são alheias à História do Brasil e que há um movimento político para “destruir” a diversidade e dividir os brasileiros.

Pois bem, o mundo se levantou contra o negacionismo de Bolsonaro para as questões raciais.

O repúdio às declarações do presidente se deu no contexto da morte de um homem negro de 40 anos espancado e asfixiado quinta-feira (20), numa unidade do Carrefour em Porto Alegre (RS).

“Antes de adentrarmos o tema principal desta sessão, quero fazer uma rápida defesa do caráter nacional brasileiro em face das tentativas de importar para o nosso território tensões alheias à nossa História. O Brasil tem uma cultura diversa, única entre as nações. Somos um povo miscigenado”, disse Bolsonaro aos líderes das economias mais ricas do mundo.

Bolsonaro não se ateve a essa fala.

“Contudo, há quem queira destruí-la (a diversidade), e colocar em seu lugar o conflito, o ressentimento, o ódio e a divisão entre raças, sempre mascarados de “luta por igualdade” ou ‘justiça social’. Tudo em busca de poder”, continuou.

Então o presidente Bolsonaro prosseguiu: “E são as nossas escolhas e valores que determinarão qual dos dois nós seremos. Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria História.”

O presidente Jair Bolsonaro estendeu o debate negacionista nas redes sociais.

“Estamos longe de ser perfeitos. Temos, sim, os nossos problemas, problemas esses muito mais complexos e que vão além de questões raciais. O grande mal do país continua sendo a corrupção moral, política e econômica. Os que negam este fato ajudam a perpetuá-lo.”

Pesquisados, políticos, partidos, personalidades artísticas, atletas, do Brasil e do mundo, condenaram as declarações de Bolsonaro que perpetuam o racismo estrutural no País.

Lewis Hamilton condena assassinato de homem negro no Carrefour em Porto Alegre

Washington Post: Morte de negro após espancamento de seguranças indigna Brasil

Maia presta condolências à família e aos amigos de homem negro espancado até a morte no Carrefour

Mourão: “Para mim, no Brasil não existe racismo”