Maduro se reaproxima dos EUA enquanto Bolsonaro se afasta

A política tem disso. Um dia um sobe, outro desce. No dia seguinte, aquele que estava em baixa sobe e o que estava em cima cai. Vide os casos de Maduro e Bolsonaro.

Ameaçado durante o governo de Donald Trump, o governo do presidente Nicolás Maduro busca uma reaproximação com os Estados Unidos e principalmente com o presidente eleito Joe Biden.

Por meio de seu chanceler, Jorge Arreaza, o Governo da Venezuela felicitou nesta quinta-feira (26) os americanos pelo Dia da Ação de Graças.

“O povo e o governo da Venezuela saúdam o povo americano no tradicional Dia de Ação de Graças e expressam seus sinceros votos de que consigam superar a pandemia que assola o mundo inteiro”, diz o comunicado. “Um futuro melhor pode ser construído”, sinalizou.

Nesse cenário, o presidente brasileiro ficou chupando o dedo. Recentemente, Bolsonaro ameaçou usar “pólvora” [declarar guerra] contra o presidente eleito dos EUA. A embaixada americana no Brasil não gostou e divulgou um vídeo sobre o poderio bélico do Tio Sam.

Depois da derrota de Trump, Bolsonaro se afastou da política americana e se assanha agora para o lado de Vladimir Putin, presidente da Rússia, que protege Maduro.