Juiz rejeita pedido de Trump para anular eleição da Pensilvânia

O presidente Donald Trump sofreu um duro revés no front jurídico neste sábado (21). Um juiz federal indeferiu tentativa do republicano anular os resultados da eleição presidencial no estado da Pensilvânia. O magistrado arquivou o processo porque o considerou uma opinião injuriosa com argumentos jurídicos de má qualidade, sem evidências e contrários à constituição dos Estados Unidos.

Com a derrota de hoje, Trump vê seus dias na presidência dos EUA escapando-lhe entre os dedos. Ele não está conseguindo invalidar a vitória do democrata Joe Biden, eleito no dia 3 de novembro.

O juiz Matthew Brann escreveu uma sentença de 37 páginas na qual afirma que a campanha de Trump procurou privar quase sete milhões de eleitores na Pensilvânia, mas apresentou apenas “argumentos jurídicos tensos sem mérito e acusações especulativas, não incluídos na queixa operativa e sem suporte de evidências”.

“Nos Estados Unidos da América, isso não pode justificar a cassação de um único eleitor, muito menos de todos os eleitores de seu sexto estado mais populoso. Nosso pessoal, leis e instituições exigem mais”, acrescentou o juiz.

A campanha de Trump ainda pode apelar da sentença.

A decisão judicial veio antes do prazo final de segunda-feira (23) para que os condados da Pensilvânia apresentassem seus totais de votos certificados finais a Kathy Boockvar, a secretária de estado da Pensilvânia. O marco faz parte de uma série que oficializará a vitória de Biden.

Michigan também pode certificar seus resultados na segunda-feira, enquanto a Geórgia, que tem um governador e secretário de estado republicano, confirmou a vitória de Biden no estado na sexta-feira.

A campanha de Trump processou Boockvar e vários condados da Pensilvânia controlados pelos democratas para impedir o estado de certificar seus resultados. Eles se juntaram a dois eleitores individuais que tentaram, mas não conseguiram votar em condados não visados ​​no caso.

O juiz Brann realizou uma audiência na terça-feira em que a campanha de Trump foi representada por Rudy Giuliani, o ex-prefeito da cidade de Nova York, depois que duas equipes diferentes de advogados se retiraram do caso.

Em sua opinião no sábado, o juiz citou o “histórico processual torturado” do caso, observando que “os demandantes fizeram várias tentativas de emendar as peças processuais, e os advogados compareceram e se retiraram em questão de 72 horas”.

O processo da campanha de Trump alegou que a orientação emitida por Boockvar encorajando todos os condados a ajudar os eleitores a corrigir erros em suas cédulas resultou em violações constitucionais porque foi seguida principalmente por condados democratas, em vez de republicanos.

O juiz Brann rejeitou a alegação, em sua opinião, escrevendo que “como o Monstro de Frankenstein” foi “costurado ao acaso”.

Ele descobriu que, embora os eleitores individuais tivessem sofrido ferimentos que lhes permitiriam abrir um processo, eles processaram os condados errados e que, em qualquer caso, bloquear a certificação da eleição presidencial da Pensilvânia era o remédio errado.

“Em vez de solicitar que seus votos sejam contados, eles buscam desacreditar dezenas de outros votos, mas apenas para uma corrida. Simplesmente não é assim que a Constituição funciona ”, escreveu ele.

Ele disse que a campanha de Trump, por outro lado, não tinha legitimidade para processar. O juiz Brann escreveu que os advogados de Trump falharam em “afirmar claramente” qualquer dano sofrido pela campanha e disse que sua “tentativa de elaborar uma teoria jurídica” a partir da decisão da Suprema Corte em ‘Bush vs. Gore’ em 2000 foi igualmente deficiente. “Eles interpretam mal as questões em jogo nesse caso”, escreveu ele.

Com informações de agências

Em baixa, Trump se apoia na teoria da conspiração do bolsonarista Allan do Santos

Por Trump, Bolsonaro fala em guerra contra os EUA; embaixador americano leva a sério

Eduardo Bolsonaro chora ao saber da derrota de Donald Trump nos EUA

Compartilhe agora